Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.742,36
    -1.941,03 (-4,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Kim Kardashian promove criptomoeda e entra na mira do Reino Unido

·2 minuto de leitura
Kim Kardashian
Kim Kardashian pode ter promovido criptomoeda que não existe, segundo autoridades

A empresária e socialite americana Kim Kardashian foi criticada por promover no Instagram uma criptomoeda.

As críticas vieram do chefe da Financial Conduct Authority (FDA), o órgão regulador financeiro do Reino Unido.

Charles Randell disse que Kardashian "pediu a seus 250 milhões de seguidores que especulassem uma criptomoeda" ao promover um anúncio para o Ethereum Max.

Randell chamou a moeda de "um token digital especulativo criado um mês antes por desenvolvedores desconhecidos".

E acusou influenciadores digitais de alimentar "ilusões de riqueza rápida".

Randell falou sobre o caso durante o Simpósio Internacional de Cambridge sobre Crimes Financeiros.

O presidente da FCA disse que a postagem de Kardashian no Instagram, que ele destacou ter sido sinalizada corretamente como um anúncio publicitário, pode ter sido a "publicidade financeira com o maior alcance de público da história".

O token promovido como Ethereum Max não deve ser confundido com a criptomoeda Ethereum.

"Não posso dizer se este token específico [Ethereum Max] é uma farsa", disse Randell.

"Influenciadores das redes sociais são rotineiramente pagos por golpistas para ajudá-los a bombar e descartar novos tokens por causa da pura especulação. Alguns influenciadores promovem moedas que simplesmente não existem", disse ele.

A BBC procurou a Ethereum Max e também Kim Kardashian para comentar o caso, mas não obteve resposta.

Randell disse que cerca de 2,3 milhões de britânicos atualmente possuem criptomoedas e que 14% deles também usam crédito para comprá-las, "aumentando assim a exposição a perdas financeiras".

Segundo ele, a FCA alertou os britânicos repetidamente sobre os riscos de manter "tokens especulativos", que não são regulamentados pela FCA ou cobertos por qualquer esquema de compensação.

"Se você comprá-los, deve estar preparado para perder todo o seu dinheiro", disse.

Randell afirmou que ainda há espaço para orientar consumidores de que seus investimentos podem não estar protegidos "às implacáveis ​​e muitas vezes enganosas técnicas de publicidade de alguns negócios de criptografia".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos