Mercado fechado

Kia Seltos 2020 estreia versão global e tem chances de vir ao Brasil

feedback@motor1.com (Dyogo Fagundes)
Kia Seltos 2021 - Fotos ao vivo

SUV posicionado abaixo do Sportage brigará com Jeep Renegade, Honda HR-V e companhia

Já apresentado em mercados da Ásia como Coreia do Sul e Índia, o crossover Seltos estreia nesta semana no Salão de Los Angeles sua versão global. Principal aposta da Kia para o segmento dos SUVs compactos, o modelo muda apenas detalhes da dianteira na comparação com a variante asiática, essencialmente no para-choque. Está posicionado abaixo do Sportage e chega com a missão de concorrer diretamente com Honda HR-V, Jeep Renegade, Chevrolet Tracker, Nissan Kicks e tantos outros.

Para tanto, apostará em atributos como pacote tecnológico, design e espaço, sendo inclusive descrito pela marca como "líder em sua classe no que diz respeito a espaço e versatilidade". A promessa é lançar o modelo nos EUA com preços abaixo dos US$ 22 mil (cerca de R$ 92.500).

Leia também:

No mercado norte-americano, o Seltos será oferecido ao todo em cinco configurações, desde a de entrada LX até a topo de linha SX. No caso das variantes mais caras, a lista de equipamentos incluirá recursos como faróis de LED, rodas de liga-leve de 17 ou 18 polegadas, luzes traseiras de LED, sistema de entretenimento com tela de 10,25 polegadas, head-up display, câmera de 360 graus, teto solar, iluminação ambiente multicolorida, bancos dianteiros refrigerados e sistema de áudio da marca Bose.

Sob o capô, serão oferecidas duas opções de motorização: 2.0 aspirado de 148 cv e 1.6 turbo de 177 cv. O câmbio será automático do tipo CVT no primeiro propulsor e automatizado de dupla embreagem e 7 marchas no segundo. Tração integral será oferecida como opcional. Para efeito de comparação, o Seltos asiático tem motores 1.5 aspirado de 115 cv, 1.4 TGDi de 140 cv e 1.5 CRDI diesel de 115 cv. 

Kia Seltos 2021 - Fotos ao vivo
Kia Seltos 2021 - Fotos ao vivo

A produção será tocada na Índia e na Coreia do Sul, mas há chances também de o México de tornar mais um polo produtivo, tendo em vista o abastecimento dos Estados Unidos. O Brasil poderia se beneficiar neste último caso e importar o Seltos a partir da planta de Nuevo Léon, que já produz o Cerato e o compacto Rio.