Mercado fechará em 22 mins
  • BOVESPA

    111.736,33
    +447,15 (+0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.844,60
    -192,45 (-0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,69
    -0,66 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.794,60
    -35,10 (-1,92%)
     
  • BTC-USD

    36.137,93
    -1.640,22 (-4,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    825,70
    +6,19 (+0,76%)
     
  • S&P500

    4.322,28
    -27,65 (-0,64%)
     
  • DOW JONES

    34.078,74
    -89,35 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.014,50
    -144,00 (-1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0417
    -0,0647 (-1,06%)
     

KGB da Belarus usou perfis falsos para inflamar crise na fronteira com UE, diz Meta

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A empresa Meta, dona do Facebook, afirmou em relatório publicado nesta quarta-feira (1º) que a polícia secreta da ditadura da Belarus, a KGB, atuava em dezenas de perfis falsos na rede social com o objetivo de impulsionar a crise migratória que há meses se arrasta na fronteira do país com a União Europeia (UE). Mais de 40 contas foram removidas por esse motivo.

Os perfis falsos teriam sido usados para criticar o comportamento das autoridades da Polônia, país onde há o maior fluxo de migrantes, com informações falsas que incluíam denúncias de intimidação e uso da força por parte dos guardas poloneses na fronteira. As publicações eram feitas em inglês, polonês e curdo, diz o relatório da Meta.

Embora a real identidade das contas tenha sido ocultada, o documento afirma que foi possível encontrar relações com a KGB belarussa. Por outro lado, a Meta também aponta que 31 perfis falsos com origem na Polônia foram deletados por razões semelhantes, ainda que não tenha sido possível vinculá-los ao governo do país.

As contas falsas alegavam estar compartilhando suas próprias experiências negativas ao tentarem cruzar a fronteira da Belarus para a Polônia e escreviam sobre as dificuldades dos imigrantes na Europa, segundo detalha o relatório. Postagens sobre medidas anti-imigração na Polônia e sobre grupos neonazistas também foram encontradas.

A UE acusa a ditadura da Belarus, liderada por Aleksandr Lukachenko, de empurrar migrantes em direção às fronteiras com a Lituânia, a Letônia e a Polônia --países-membros do bloco-- como forma de vingança após sanções serem aplicadas ao país, conhecido por reprimir opositores e manifestações pela democracia. O ditador belarruso já admitiu, em diferentes manifestações públicas, que suas tropas incentivam migrantes a entrarem de forma ilegal na UE.

Grupos de direitos humanos afirmam que pelo menos 13 pessoas morreram devido às precárias condições nos acampamentos improvisados na fronteira. Os locais começaram a ser esvaziados por soldados da Belarus em novembro, e os migrantes foram levados para armazéns na região. Autoridades da UE dizem que a situação melhorou com a medida, mas que ainda há de 8.000 a 10 mil migrantes na região.

O bloco europeu propôs nesta quarta um pacote polêmico com a justificativa de amenizar a situação nas fronteiras. O documento prevê que Letônia, Lituânia e Polônia tenham permissão para deter migrantes em centros de processamento de pedidos de asilo por até 16 semanas --o período permitido atualmente é de quatro semanas.

Organizações da sociedade civil, já críticas à maneira como a UE tem lidado com o fluxo migratório, afirmam que o bloco tem sido influenciado em excesso pelo partido nacionalista conservador no poder na Polônia, o Lei e Justiça (PiS), e que as medidas anunciadas violam a lei de asilo internacional.

Twitter exclui perfis ligados a governos O Twitter também anunciou nesta quinta-feira (2) que excluiu cerca de 3.500 contas que realizavam operações de propaganda de governos.

A maior parte das publicações divulgava o discurso oficial do Partido Comunista da China em relação à minoria muçulmana uiguir da região autônoma de Xinjiang, segundo a rede social. Cerca de 100 contas estavam vinculadas a uma empresa ligada ao governo da província.

Organizações internacionais afirmam que Pequim tem detido arbitrariamente pessoas uiguir e as submetido a práticas de trabalho forçado e doutrinação política em centenas de centros de detenção.

Outras contas excluídas da rede social estavam ligadas a autoridades de países como México, Rússia, Tanzânia, Uganda e Venezuela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos