Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.349,41
    -86,48 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Kazaks contesta apostas de corte dos juros do BCE à medida que núcleo dos preços aumenta

Por Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - A autoridade do Banco Central Europeu Martins Kazaks está rejeitando as apostas dos investidores de que o BCE cortará seus juros até o final deste ano, dizendo que seria necessária uma recessão profunda para que os custos dos empréstimos fossem reduzidos.

Os mercados monetários esperam que o BCE aumente a taxa que paga sobre os depósitos bancários em quase 150 pontos-base até o meio do ano, antes de reverter o curso no final de 2023 e no próximo ano, implicando uma desaceleração no crescimento e na inflação.

Mas Kazaks disse à Reuters que não consegue ver uma "justificativa" para isso e que os juros devem continuar subindo para conter a inflação na zona do euro, que está em quase cinco vezes a meta de 2% do BCE.

"Seria necessária uma recessão profunda com um salto considerável no desemprego para que a inflação caísse e, assim, pressionasse por cortes nos juros", disse o presidente do banco central da Letônia em entrevista. "Mas isso não é provável, dada a atual perspectiva macroeconômica".

Kazaks, geralmente visto como agressivo na política monetária, acrescentou que os juros devem subir "bem em território restritivo", um nível pouco claro que restringe o crescimento econômico e que a maioria dos economistas vê como estando acima da atual taxa de 2%.

A inflação na zona do euro caiu para 9,2% no mês passado, em grande parte graças aos preços mais baixos de energia e a um subsídio pontual na Alemanha, mas o núcleo das pressões de preços continuou a aumentar.

(Reportagem de Francesco Canepa)