Mercado fechará em 5 h 10 min
  • BOVESPA

    111.639,24
    -284,69 (-0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,52
    +2,54 (+3,18%)
     
  • OURO

    1.807,50
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    17.266,12
    +315,62 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    409,13
    +7,71 (+1,92%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.586,90
    +30,67 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.958,50
    -51,75 (-0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5409
    +0,0469 (+0,85%)
     

Kashkari diz que falar de mudança é "prematuro" e que Fed está em boa trajetória sobre juros

Presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari

Por Ann Saphir

(Reuters) - O presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, disse na quarta-feira que é "totalmente prematuro" discutir qualquer mudança para sair do atual aperto da política monetária do Fed, mesmo que aparentemente tenha endossado a possibilidade de ajustar o tamanho de futuras altas dos juros.

"Acho que estamos em uma boa trajetória neste momento: acredito que estamos unidos em nosso compromisso de baixar a inflação para 2%", disse Kashkari na Escola Ness de Administração e Economia da Universidade Estadual de Dakota do Sul.

"Mas a política monetária opera com defasagem", acrescentou ele, referindo-se aos muitos meses que os economistas estimam que leva para que o efeito dos custos mais altos de empréstimos seja visto na economia e na inflação.

Ao aumentar os juros "agressivamente, mas em pequenos passos, podemos ver como a economia evolui, podemos ver o que está acontecendo com as cadeias de abastecimento, e isso reduz o risco de que vamos ultrapassar nossa marca".

Na semana passada, o Fed aumentou sua taxa de juros em 75 pontos-base, para uma faixa de 3,75%-4%, para combater a inflação mais alta em 40 anos.