Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,39
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.808,50
    +8,80 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    40.006,47
    +796,04 (+2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,88
    +5,96 (+0,64%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.983,75
    -27,75 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0668
    +0,0083 (+0,14%)
     

Kaseya afirma ter restaurado seus servidores após ataque cibernético

·2 minuto de leitura
Um teclado de computador fotografado de perto, em Brest, 25 de junho de 2019

A empresa de software americana Kaseya informou, nesta segunda-feira (12), que restaurou completamente seus servidores, mais de uma semana após ser vítima de um ataque de ransomware que paralisou centenas de empresas em todo o mundo.

A empresa de TI (tecnologia de informação) com sede em Miami declarou que restaurou completamente suas operações de software VSA, que é usado para administrar redes de computadores e impressoras.

"A restauração dos serviços já está completa", disse um relatório atualizado da empresa, depois de vários dias de atrasos e reparação parcial durante o fim de semana.

"Continuaremos publicando atualizações sobre o progresso da implementação da correção (de segurança) e o estado do servidor", afirmou a Kaseya, que fornece serviços informáticos para quase 40.000 empresas de vinte países.

A notícia chega após alguns analistas terem afirmado que esse pode ter sido o maior ataque de ransomware já registrado.

Esses ataques são uma forma cada vez mais lucrativa de fazer reféns a nível digital. Os hackers bloqueiam os dados dos servidores das vítimas e depois exigem dinheiro para restabelecer o acesso.

O ataque sem precedentes, que estima-se ter sido realizado por um grupo de hackers com sede na Rússia, afetou cerca de 1.500 empresas no mundo e provocou um pedido de resgate de 70 milhões de dólares.

A invasão contra a Kaseya, anunciada em 2 de julho, afetou uma importante rede de supermercados sueca, que teve que fechar 800 lojas, e gerou consequências no mundo todo, afetando negócios de pelo menos 17 países, desde farmácias até estações de serviço, assim como dezenas de jardins de infância na Nova Zelândia.

A Kaseya informou que apenas 60 clientes diretos foram afetados pelo ciberataque de sexta-feira, mas se acrescentar as vítimas indiretas - os clientes de seus clientes -, considerou que no total cerca de 1.500 empresas foram afetadas.

Embora a Kaseya seja pouco conhecida pelo público, os analistas afirmam que era alvo dos hackers porque milhares de empresas usam seu software, o que permite aos invasores paralisarem muitas empresas de uma só vez.

Na sexta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, alertou mais uma vez ao seu homólogo russo Vladimir Putin para que "tome medidas" contra os hackers que operam na Rússia.

rl/mdo/llu/dga/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos