Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,13
    -0,07 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.826,60
    +12,60 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    29.991,21
    -1.071,65 (-3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,51
    +428,84 (+176,71%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.550,40
    +3,35 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.299,75
    +55,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2687
    -0,0118 (-0,22%)
     

Justiceiro não gosta nem um pouco do seu período "superpoderoso" dos anos 1990

O Justiceiro, polêmico personagem da Marvel, já passou por muitas situações nos quadrinhos — mas nada talvez tenha sido tão bizarro quanto a curta fase em que ele foi escolhido como um guerreiro angelical para limpar a Terra de forças malignas.

Essa curiosa fase do Justiceiro ocorreu no final dos anos 1990, e é considerada uma das piores coisas já feitas com um personagem da Marvel nos quase 80 anos da editora, ao ponto de no próximo arco do polêmico anti-herói, escrito por Garth Ennis e com desenhos de Steve Dillon, Frank Castle retorna, já na primeira edição, as suas raízes como um homem em busca de vingança contra o crime dos EUA.

<em>O Justiceiro em sua fase "angelical". (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)</em>
O Justiceiro em sua fase "angelical". (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Porém, o compromisso dos quadrinhos estadunidenses em ter cronologia acabou fazendo com que na primeira edição dessa fase do Justiceiro, publicada no começo dos anos 2000, uma página fosse dedicada para explicar o que aconteceu com os poderes angelicais do personagem. Mas o que poderia ter sido um resumo virou uma interessante piada ácida, marca de Garth Ennis, roteirista também responsável pela HQ que originou a série The Boys, do Prime Video.

<em>Justiceiro contempla sua fase "angelical". (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)</em>
Justiceiro contempla sua fase "angelical". (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Na página, o Justiceiro está com um criminoso no topo de uma torre, e enquanto ele joga o bandido do alto para sua morte, ele pensa para si mesmo que uma vez ele foi um soldado angelical e teve chance de se redimir mas que, na verdade, ele não gostou do trabalho e se desligou da tarefa divina - e no processo, segundo sua narração, ele também aproveitou para xingar os enviados divinos.

Para quem aguentou ler a fase do fim dos anos 1990 do Justiceiro, é provável que o simples abandono do cargo não seja a conclusão mais aguardada. Ao mesmo tempo, olhando criticamente, é uma resolução corajosa para um arco que, de todas as formas, descaracterizou o personagem, o tornando temporariamente um dos heróis mais genéricos da Marvel.

Com isso, e vendo no fim que a Marvel de certa forma aceitou uma crítica por seus próprios erros do passado, o episódio se torna uma curiosa ocorrência na vida do Justiceiro — e uma que agora, quase 25 anos depois, quase nunca é mencionada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos