Mercado abrirá em 57 mins
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,21
    -1,76 (-2,45%)
     
  • OURO

    1.755,90
    +4,50 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    43.900,83
    -3.316,43 (-7,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.092,21
    -133,32 (-10,88%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.849,40
    -114,24 (-1,64%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.097,00
    -229,00 (-1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1851
    -0,0143 (-0,23%)
     

Justiça determina que Energisa indenize consumidora em R$ 5 mil

·1 minuto de leitura
O processo, que teve fim na semana passada, se arrastava desde 2017.
O processo, que teve fim na semana passada, se arrastava desde 2017.
  • Meses fora de casa, idosa percebeu que medidor foi furtado e ficou sem energia elétrica;

  • Empresa demorou dois anos para realizar o religamento;

  • Tribunal de Justiça de Rondônia condenou Energisa;

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Rondônia manteve a condenação da Empresa Energisa no valor de R$ 5 mil, em função da demora de dois anos para realizar o religamento de energia elétrica de uma consumidora. A justiça entendeu que houve falha prolongada na prestação do serviço pela concessionária rondoniense.

O processo, que teve fim na semana passada, se arrastava desde 2017, quando a consumidora teve a energia desligada por conta do furto do medidor de consumo de energia elétrica, enquanto passava alguns meses fora de casa. Ela solicitou a religação da energia à Energisa cinco vezes, entretanto os prazos eram sempre ignorados.

Leia também:

A ação da idosa foi considerada parcialmente procedente na primeira instância, mas a ré recorreu da decisão. No entanto, o recurso foi negado pelos desembargadores da 2ª Câmara Cível, e a condenação, mantida.

Segundo o relator do processo, desembargador Alexandre Miguel, a demora sem razão para o restabelecimento da energia caracteriza a falha na prestação do serviço, o que configura dano moral, já que a concessionária deve atuar de maneira diligente, de forma a evitar prejuízos aos consumidores.

As informações são do site iG Economia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos