Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,52
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.635,90
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.116,52
    -73,33 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,57
    -22,57 (-4,92%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.373,75
    +40,00 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1610
    +0,0011 (+0,02%)
     

Justiça decreta falência da Itapemirim; empresa tem R$ 2 bi em dívidas

Itapemirim: grupo teve falência decretada pela Justiça de São Paulo
Itapemirim: grupo teve falência decretada pela Justiça de São Paulo
  • Transportadora Suzano irá assumir a linha rodoviária da empresa;

  • Empresa ficou famosa por ter deixado consumidores abandonados no natal de 2021;

  • Grupo Itapemirim se encontra em recuperação judicial desde 2016.

A Itapemirim, empresa que ganhou notoriedade no final do ano passado por suspender suas operações na véspera de Natal e deixar os passageiros sem voos, acabou de ter sua falência decretada pela Justiça de São Paulo. Ao todo, em dívidas tributárias e trabalhistas, a empresa tem um débito de mais de R$ 2 bilhões.

A decisão foi feita pelo juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, que além de decretar a falência do Grupo e determinar o encerramento das atividades e lacração de estabelecimentos para arrecadação de ativos, também autorizou a Transportadora Turística Suzano Ltda. a assumir a massa falida da Itapemirim, a fim de liquidar os ativos do Grupo" e "resguardar os interesses da coletividade de credores".

Na prática, então, as linhas de ônibus da empresa passarão a ser operadas pela Suzano até que "haja designação de processo competitivo posterior para alienação da operação das linhas", disse o juiz em sua decisão.

A empresa encontra-se em recuperação judicial desde 2016, devendo cerca de R$ 253 milhões aos credores, além de R$ 2,2 bilhões em tributos. Ainda assim, em 2021 o grupo de transporte rodoviário anunciou o lançamento de sua companhia aérea, a ITA. Segundo os promotores do caso, os gestores descapitalizaram o setor de ônibus para financiar a abertura da linha aérea.

Em janeiro deste ano, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) proibiu a companhia de comercializar passagens aéreas até a normalização de seu serviço. Entre dezembro de 2021 e janeiro de 2022, a empresa realizou diversas demissões de empregados. Segundo o juiz Rodrigues Filho, “em nenhum caso foi constatado o adimplemento das verbas rescisórias. Por conseguinte, o valor total inadimplido relacionado ao Passivo Trabalhista Extraconcursal é certamente maior”.