Mercado abrirá em 27 mins
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,87
    -1,08 (-1,46%)
     
  • OURO

    1.811,30
    -5,90 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    39.147,32
    -2.555,42 (-6,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    954,83
    +4,93 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.076,85
    +44,55 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.019,50
    +63,75 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1246
    -0,0634 (-1,02%)
     

Justiça de SP confirma demissão por justa causa após recusa de vacina

·2 minuto de leitura
  • Auxiliar de limpeza hospitalar se recusou a imunização

  • Por unanimidade, recurso de ex-funcionário é negado pela primeira vez neste tipo de caso

  • Interesse particular do empregado não pode prevalecer sobre o coletivo

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo rejeitou, por unanimidade, o recurso de Christiane Aparecida Pedroso, ex-auxiliar de limpeza no Hospital Municipal Infantil Marcia Braido, em São Caetano, que se recusou a se vacinar contra a covid-19 e foi demitida. 

Na sessão, presidida pelo desembargador Roberto Barros da Silva, o júri entendeu que a aplicação da justa causa não foi abusiva e que o interesse particular do empregado não pode prevalecer sobre o coletivo. Concluíram ainda que a auxiliar, ao deixar de tomar a vacina, realmente colocaria em risco a saúde dos colegas da empresa, dos profissionais do hospital e dos seus pacientes.

Leia também:

No dia marcado para a vacinação, Christiane Aparecida não compareceu e foi demitida por justa causa no dia 2 de fevereiro deste ano por ato de indisciplina. Ela era contratada pela Guima-Conseco, empresa que atua na área de oferta de mão de obra terceirizada, a maior parte para hospitais.

Ao tentar recurso, Christiane alegou que a sua dispensa foi abusiva e que o simples fato de ter se recusado a tomar a vacina contra a covid-19 não poderia ser considerado ato de indisciplina ou insubordinação. A defesa sustentou, sem sucesso, que o ato da empresa de forçar que ela tomasse a vacina feria a sua honra e dignidade.

Para o advogado da auxiliar, Paulo Sergio Moreira dos Santos, mesmo a decisão sendo mantida, "muitas coisas precisam ser discutidas". Segundo ele, a empresa terceirizada disse à funcionária que era um privilégio se imunizar. "Só que ela vinha com problemas de saúde e estava com medo", explicou. Santos alegou ainda que a funcionária não foi encaminhada para o médico do trabalho, um psicólogo, para ver se era consistente ou não a recusa da vacina.

O Ministério Público do Trabalho (MPT), em fevereiro deste ano, já tinha orientado que os trabalhadores que se recusassem a tomar vacina contra a covid-19 sem apresentar razões médicas documentadas poderiam ser demitidos por justa causa. O entendimento do MPT é que as empresas precisam investir em conscientização e negociar com seus funcionários, mas que a mera recusa individual e injustificada à imunização não poderá colocar em risco a saúde dos demais empregados. 

"Essa primeira decisão é muito bem fundamentada porque a empresa comprovou que dava treinamento e tinha uma política de esclarecimento da importância de tomar a vacina", afirmou o advogado Matheus Vieira, do escritório Souza, Mello e Torres, especialista na área trabalhista. Para ele, é um precedente muito robusto que traz mais segurança jurídica para as empresas e deve ser utilizado por outras firmas.

As informações são do jornal O Dia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos