Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,27
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.858,30
    +2,10 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    32.698,52
    +405,46 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,86
    +61,87 (+10,14%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,95 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.675,60
    +44,15 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    13.436,25
    +74,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

Justiça Federal de São Paulo rejeita adiamento e mantém datas do Enem 2020

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Estudantes universitários de máscara fazendo prova pré-vestibular para o ENEM mantendo espaçamento por causa da COVID-19
A decisão mantém as datas dos exames impressos, marcados para 17 e 24 de janeiro. (Foto: Getty Images)

A Justiça Federal de São Paulo rejeitou, nesta terça-feira (12), o pedido da DPU (Defensoria Pública da União) de suspender a realização das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2020 por conta do novo avanço de infecções pelo novo coronavírus. A decisão mantém as datas dos exames impressos, marcados para 17 e 24 de janeiro.

Na decisão, a Justiça reconhece que a situação da pandemia irá variar entre as cidades e deixa a cargo das autoridades locais avaliar se será necessário interferir na realização do exame. Caso isso aconteça, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pela prova, terá que reaplicar o exame.

A Defensoria Pública da União pediu à Justiça, na última sexta-feira (7), o adiamento do Enem diante do aumento de casos da Covid-19 no Brasil. O órgão pedia que o exame fosse adiado "até que possa ser feito de maneira segura, ou ao menos enquanto a situação não esteja tão periclitante quanto agora."

Leia também

As principais entidades estudantis do país, UNE (União Nacional dos Estudantes) e Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), entraram em conjunto na ação, além das entidades Campanha Nacional pelo Direito à Educação e Educafro.

A juíza federal Marisa Cláudia Gonçalves Cucio acatou, na decisão, as ponderações feitas pela AGU (Advocacia-Geral da União) e sentenciou que o adiamento traria consequências financeiras e comprometeria a “formação acadêmica” dos candidatos.

“O adiamento causará certamente prejuízos financeiros, mas também poderá comprometer a própria realização do Enem no primeiro semestre de 2021, além da possibilidade de impedir o prosseguimento da formação acadêmica de muitos participantes, ante a demora na correção das provas”, diz a magistrada.

Com o novo repique da pandemia, as entidades avaliam que candidatos possam deixar de fazer a prova com receio do contágio, afetando especialmente aqueles que estão em situação mais vulnerável. Eles já haviam encaminhado ofício ao MEC (Ministério da Educação) pedindo o adiamento, mas a pasta negou a possibilidade de mudança para uma nova data.

Programado originalmente para novembro, o Enem só foi postergado para janeiro depois de forte mobilização de estudantes, secretários de educação e entidades da área.

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) resistiu no adiamento, negando o risco da realização da prova durante a pandemia.

A nova data só foi anunciada após uma iminente derrota sobre o tema no Congresso, que chegou a aprovar um texto exigindo a alteração da data. Ainda que tenha adiado a prova, o MEC ignorou o resultado da consulta pública que organizou, já que a maioria dos candidatos indicou preferir a transferência do Enem para maio.