Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.014,57
    -430,62 (-1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Justiça condena hacker a indenizar Banco do Brasil em R$ 648 mil

·2 minuto de leitura
Hacker with computers in dark room. Cyber crime
Além do pagamento de indenização, condenação prevê reclusão de 5 anos e 6 meses
  • Justiça do DF condenou hacker a indenizar Banco do Brasil em R$ 648 mil

  • Homem aplicou golpe em duas vítimas em 2020

  • Valor furtado é o mesmo pedido em indenização

Um hacker foi condenado pela Justiça do Distrito Federal a indenizar o Banco do Brasil em R$ 648 mil. Nicolas Noel Valdez Bello furtou de duas contas o mesmo valor pedido de indenização em 2020, de acordo com a decisão. Além do pagamento, a condenação prevê reclusão de cinco anos e seis meses, inicialmente em regime semiaberto. As informações são do G1.

Leia também:

A decisão, do juiz Aimar Neres de Matos, ainda prevê pena de reclusão de cinco anos e seis meses, em regime inicial semiaberto. O advogado de Nicolas, Fábio Henrique Pinheiro Pereira, disse que a condenação por ressarcimento foi "fora os padrões" e que vai recorrer da decisão.

A reparação de danos causados ao Banco do Brasil foi pedida na denúncia feita pelo Ministério Público do Distrito Federal, já que a instituição financeira acabou arcando com o prejuízo e precisou ressarcir as vítimas.

Em "se tratando de uma instituição de capital misto, verifica-se que o prejuízo foi suportado tanto pela União, ou seja, prejuízo público, quanto pelos acionistas. De mais a mais, tais condutas acabam por encarecer o preço dos serviços bancários, causando prejuízo social relevante", escreve o juiz Aimar Neres de Matos na decisão.

O crime

As vítimas receberam por SMS um link que levava para uma página falsa do Banco do Brasil, segundo a Polícia Civil. A partir de então, os clientes da instituição financeira receberam mensagens de WhatsApp em nome do banco e, assim, acabaram passando a Bello um QR que possibilitou o acesso às contas bancárias.

A partir de então, ele habilitou um aplicativo no nome das duas vítimas, fez transferências para outras contas e pagou impostos.

O homem foi preso em agosto de 2020 depois de ter sido encontrado em Santa Catarina.