Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.310,57
    -2.707,30 (-7,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Justiça do Trabalho condena empresas por violarem dados de caminhoneiros

·2 min de leitura

Acusadas de montar cadastros negativos e divulgar informações de caminhoneiros que não fazem parte de bases públicas de consulta (como as contidas em boletins de ocorrência e inquéritos policiais em andamento), empresas de gerenciamento de risco para seguradoras e transportadoras foram condenadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4). Agora, o órgão analisa recursos de oito companhias do setor.

As gerenciadoras atuam como serviços de proteção ao crédito e repassam dados sobre o perfil de caminhoneiros a empresas do ramo. Essas informações são usadas na contratação de condutores para fretes — as seguradoras decidem, com base no risco mensurado, se cabe o pagamento por um sinistro envolvendo o profissional. O que ocorre na prática é que os motoristas são vetados ou têm de pagar pelo seguro mais caro.

Caminhoneiros têm dados violados por empresas (Imagem: Reprodução/Envato/Mint_Images)
Caminhoneiros têm dados violados por empresas (Imagem: Reprodução/Envato/Mint_Images)

O pedido de ação contra essa conduta chegou à Justiça pelo sindicato de caminhoneiros. Desde março, as transportadoras têm apresentado recursos ao TRT para reverter uma decisão do tribunal que proíbe o uso de informações criminais que não sejam de acesso público. Para o TRT, esse mecanismo "ultrapassa os limites da licitude" e o uso dessas informações é invasivo e discriminatório.

Histórico de crédito

Sem contar que não há legislação que autorize a prática na seleção de candidatos a emprego. Em outro caso, pendente de recurso, o TST considerou ilegal o uso de informações sobre o histórico de crédito dos profissionais em seleções de emprego. Dados colhidos em serviços como o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e o Serasa não dizem respeito à capacidade dos caminhoneiros enquanto profissionais. Ao rejeitá-los, as empresas lhes tiram a possibilidade de trabalhar para saldar as dívidas.

Entre as empresas acusadas estão a Buonny Projetos e Serviços de Riscos Securitários, maior operadora do país, e a GPS Logística e Gerenciamento de Riscos. Além disso, 11 clientes, como as seguradoras Allianz, Bradesco, Itaú e Liberty, são citados.

A Buonny tenta, ainda, reverter condenação sofrida no Tribunal Superior do Trabalho (TST) por, supostamente, colher dados dos caminhoneiros em cadastros de crédito. Segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT), autor da ação, essas informações são usadas pelas transportadoras para segregar os motoristas endividados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos