Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    -0,56 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    21.259,84
    +91,48 (+0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,16 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,77 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Justiça suspende demissões na Caoa Chery

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça do Trabalho concedeu, nesta sexta-feira (27), liminar suspendendo as demissões dos trabalhadores da Caoa Chery, em Jacareí (SP). A decisão, do juiz Lucas Cilli Horta, da 2ª Vara do Trabalho, é uma resposta a um pedido feito pelo Sindicato dos Metalúrgicos.

Segundo o sindicato, a empresa enviou telegramas e emails de demissão a cerca de 580 trabalhadores. Se não cumprir a liminar, retroativa a 24 de maio, a montadora estará sujeita à multa diária de R$ 50 mil. Procurada, a Caoa informou que não iria comentar.

Segundo o documento, o sindicato pediu a "suspensão cautelar de todas as rescisões contratuais, em tutela de urgência". O juiz argumentou que ao contrário das dispensas individuais, "as dispensas coletivas ensejariam a necessidade prévia de negociação coletiva, considerando o impacto social que causam".

"Deverão ser imediatamente restabelecidos os contratos de trabalho abrangidos por esta decisão, com efeitos retroativos à data de dispensa, bem como restabelecidas as obrigações contratuais pertinentes", segue a decisão do juiz.

A chinesa Caoa Chery anunciou no início do mês que vai a interromper a produção de veículos na fábrica de Jacareí, sua principal instalação no país, para adaptar a unidade à produção de carros híbridos e elétricos.

A proposta da empresa, recusada pelos trabalhadores, envolvia pagar de 7 a 15 salários nominais aos demitidos, sem benefícios, afirmou o sindicato.

Ainda de acordo com a entidade, desde o início das negociações, foram propostos cinco meses de lay-off e mais três meses de estabilidade, em uma tentativa de preservar os postos de trabalho.

"Exigimos também a permanência da montadora no município. Já a empresa insiste em pagar apenas uma indenização social", diz o sindicato.

"O plano de lay-off chegou a ser aceito pela montadora, conforme registrado em ata de reunião ocorrida no dia 10. Entretanto, pouco depois, a Caoa Chery se negou a honrar o compromisso e voltou atrás em sua decisão", diz a entidade que representa a categoria.

A quebra desse acordo foi um dos argumentos usados pelo sindicato ao pedir a liminar.

"Foi uma grande vitória da luta e da garra dos metalúrgicos em defesa dos empregos. Mostramos mais uma vez que não se deve entregar direitos e aceitar demissões. Os trabalhadores da Caoa Chery e da Avibras são bravos lutadores e já fazem parte da história da nossa categoria", disse o presidente do Sindicato, Weller Gonçalves, por meio de nota.

A categoria também chegou a ocupar a fábrica da empresa, que está parada desde o final de março, e protestou em frente ao Consulado da China, em São Paulo.

Em abril, 185,4 mil veículos leves e pesados foram produzidos no país —uma queda de 2,9% em relação ao mesmo mês de 2021, de acordo com a Anfavea (associação das montadoras)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos