Mercado fechará em 35 mins
  • BOVESPA

    108.140,68
    -580,90 (-0,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.537,00
    -512,05 (-0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,77
    +2,66 (+3,59%)
     
  • OURO

    1.886,60
    +7,10 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    23.108,27
    +48,90 (+0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    532,47
    +6,52 (+1,24%)
     
  • S&P500

    4.126,76
    +15,68 (+0,38%)
     
  • DOW JONES

    33.922,28
    +31,26 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.632,25
    +116,75 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5539
    +0,0346 (+0,63%)
     

Justiça de SP culpa iFood e Nubank por Golpe do Motoboy

O iFood e o Nubank foram responsabilizados por um golpe aplicado por um entregador, em que foram cobrados R$ 4.958 de um cliente que havia comprado três pacotes de pão de forma. A Justiça de São Paulo condenou as empresas a pagar uma indenização de R$ 10 mil ao usuário do aplicativo que teve o valor cobrado em seu cartão de crédito roxinho.

Em março, dois irmãos realizaram um pedido no app do iFood que totalizava R$ 52,46, incluindo a taxa de entrega. O pagamento seria efetuado automaticamente pelo aplicativo pelo cartão cadastrado. Após duas horas de espera, o entregador chegou dizendo que, devido à dificuldade em localizar o endereço, a compra havia sido cancelada e o aplicativo teria estornado o valor.

Tendo os produtos em mãos, o motoboy disse que seria possível realizar o pagamento pela maquininha. Os irmãos conferiram a encomenda, o cupom fiscal e realizaram o pagamento pelo cartão de crédito do Nubank. No entanto, no dia seguinte, perceberam que tinha sido realizada uma cobrança no valor de R$ 4.958.

O que diz a Justiça sobre o Golpe do Motoboy?

Segundo a decisão da juíza Cláudia Ribeiro, ficou evidente a responsabilidade do iFood, visto que o entregador chegou ao local com a encomenda e uma nota fiscal que incluía o CPF de um deles.

“Os consumidores acreditaram que, de fato, estavam diante de um prestador de serviços cadastrado na plataforma iFood. Tinham a justa expectativa de que a empresa adota todas as cautelas necessárias na contratação de entregadores, sempre visando garantir a segurança de todos aqueles que utilizam a sua plataforma”, afirma a juíza.

Sobre o Nubank, a magistrada declarou que era dever do banco suspeitar de uma transação cujo valor supera o gasto mensal das faturas do cliente, destoando do seu perfil de consumo. Ribeiro condenou as empresas a pagar uma indenização por danos morais de R$ 10 mil, em razão da “imprudência” dos réus, “que não tomaram as devidas precauções para evitar a ação de fraudadores em prejuízo dos consumidores”.

As empresas ainda podem recorrer

Em resposta à decisão, o iFood disse que apenas presta o serviço de intermediação entre os estabelecimentos comerciais, os entregadores e os usuários e que não tem nenhuma responsabilidade pela fraude: “O iFood não responde por suposto entregador, não tendo qualquer vínculo empregatício com ele”.

A empresa ainda afirma que os clientes contribuíram para o golpe, ao não seguir os alertas e dicas de segurança da plataforma sobre cobranças extras durante uma entrega em que o pedido foi pago pelo aplicativo. “(...) eles assumiram o risco e efetuaram o pagamento de uma inexistente taxa extra. Dessa forma, nítida é a configuração de culpa exclusiva da própria parte autora [do processo]”, disse a companhia.

Já o Nubank disse à Justiça que não houve falhas em sua conduta, visto que não possui autonomia para reverter uma cobrança ou cancelar uma compra: “o cartão de crédito é um meio de pagamento assim como o dinheiro físico”. O banco digital afirma que “não houve o desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor, posto que o serviço foi prestado com a devida qualidade esperada”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: