Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.775,00
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    40.508,34
    -3.180,90 (-7,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,33
    -47,52 (-4,47%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.992,75
    -16,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1798
    -0,0649 (-1,04%)
     

Justiça do Rio nega liminar, e policiais podem continuar usando gás lacrimogêneo e balas de borracha em manifestações

·1 minuto de leitura

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), por meio da 6ª Vara de Fazenda Pública, negou o pedido de liminar da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) para proibir policiais de usarem gás lacrimogêneo e balas de borracha durante manifestações.

A ABI alegava que "o uso desses artefatos têm gerado letalidade e ofensa física a participantes, entre eles alguns jornalistas, especialmente diante do atual cenário do Covid-19".

Na decisão, no entanto, a juíza Regina Lúcia Chuquer de Castro Lima avaliou que a utilização de gás lacrimogêneo e balas de borracha, quando necessária, é importante para a proteção da população e dos próprios policiais. E ressaltou que casos de abuso ou uso indevido dos equipamentos devem ser analisados pelo Judiciário.

"Os artefatos gás lacrimogêneo e bala de borracha constituem-se em equipamentos não letais a serem utilizados pelas Polícias em situações de necessidade de controle da ordem pública visando proteger a população e os próprios policiais, sempre que a situação policiada fuja do controle, com possibilidade do caos se alastrar atingindo gravemente pessoas e o patrimônio público e privado", destacou a magistrada.

A juíza ainda citou a necessidade de conter agressões e tumulto generalizados:

"E esses eventos, que agregam multidões, são de difícil controle e, com facilidade, podem descambar para agressões e tumulto generalizados, sendo necessário que a polícia utilize-se de todos os artefatos disponibilizados para o seu controle, com o menor número de vítimas possível. Eventualmente, pessoas poderão ser atingidas e lesionadas, caso em que será submetido o evento à análise do Judiciário".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos