Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,31
    -0,25 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.813,60
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    38.475,48
    -1.008,66 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,35
    -15,09 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.044,00
    -2,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1744
    +0,0303 (+0,49%)
     

Justiça do Rio decide que acusado por matar juíza vai a júri popular

·1 minuto de leitura

A Justiça do Rio de Janeiro determinou que o engenheiro Paulo José Arronenzi, acusado pelo assassinato da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, sua ex-mulher, vá a júri popular. A decisão foi tomada nesta segunda-feira (21) pelo juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, titular da 3ª Vara Criminal da Capital.

A magistrada foi morta com diversas facadas, no dia 24 de dezembro de 2020, na frente das três filhas, na Barra da Tijuca. Ela entregaria as crianças para passarem a noite de Natal com o pai. A prisão preventiva do engenheiro, que foi detido por guardas municipais ainda no local do crime, foi mantida pelo juiz.

De acordo com o magistrado, caso fosse solto, o acusado poderia coagir testemunhas do crime. Além disso, o engenheiro tem parentes na Itália e a concessão de liberdade aumentaria o risco de uma fuga, frisou o juiz.

Além dos depoimentos dos parentes e amigos da juíza, constam no processo relatos de testemunhas que presenciaram o crime. Contaram que tiveram a atenção despertada pelo comportamento estranho do engenheiro, que andava de um lado para o outro na calçada, enquanto aguardava a chegada da ex-esposa. Assim que ela desceu do carro com as filhas, foi atacada pelo criminoso. Paulo levava uma mochila, onde guardava outras facas.

De acordo com o juiz, o crime foi de feminicídio e os indícios sugerem que foi cometido mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa do acusado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos