Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.351,61
    +2.132,14 (+6,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Justiça do Rio condena Cesar Maia por improbidade em contratação de orquestra

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, 07.08.2017 - Entrevista com César Maia, ex-prefeito e vereador do Rio de Janeiro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, 07.08.2017 - Entrevista com César Maia, ex-prefeito e vereador do Rio de Janeiro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-prefeito e atual vereador do Rio de Janeiro Cesar Maia (DEM-RJ) foi condenado por improbidade administrativa em um processo sobre a contratação por R$ 1,2 milhão, em 2008, da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira para realizar concertos no projeto Cidade da Música

O juiz Bruno Bodart, na decisão, afirma que Maia tem responsabilidade pelos fatos porque assinou o decreto que liberou os valores para a contratação, que teria sido feita em tempo recorde e de forma açodada.

Ele sentenciou o ex-prefeito a perda dos direitos políticos por oito anos e multa a ser estipulada de acordo com o dano ao erário.

“Considero que a maior reprovabilidade da conduta recai sobre os réus Cesar Maia, pela magnitude do cargo de Prefeito Municipal e por ter editado o Decreto Municipal n. 30.205, de 05 de dezembro de 2008, que concedeu o crédito suplementar destinado à despesa irregular”, diz o juiz.

Como se trata de um julgamento em 1ª instância, cabe recurso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos