Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,85
    -0,51 (-0,97%)
     
  • OURO

    1.821,70
    -8,20 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    35.871,84
    -62,32 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    699,12
    -36,02 (-4,90%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.454,59
    -119,27 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.248,87
    -270,31 (-0,95%)
     
  • NASDAQ

    12.760,00
    -42,25 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3929
    +0,0003 (+0,00%)
     

Justiça do Reino Unido nega pedido de extradição de Julian Assange para os EUA

Wagner Wakka
·2 minuto de leitura

Julian Assange, o fundador do WikiLeaks, vai permanecer no Reino Unido. A Justiça do país negou, na manhã desta segunda-feira (4), o pedido dos Estados Unidos de extradição do ativista. A juíza do caso, Vanessa Baraitser, decidiu que a movimentação seria muito prejudicial para a saúde de Assange, motivo pelo qual ele deve ficar onde está.

A defesa de Assange também alegou uma série de outros motivos para evitar que o ativista seja extraditado para o país norte-americano, mas todos foram negados pela juíza. A decisão foi tomada com base em análise de uma série de psiquiatras, que apontam a fragilidade da saúde mental do ativista. De acordo com os documentos, ele teria forte ideação suicida, sendo que o transporte para os Estados Unidos poderia ser opressivo.

“Eu estou convencida de que o risco de que o Sr. Assange possa cometer suicido é um argumento substancial”, apontou Baraitser em sua decisão. “Estou convencida de que, nestas condições difíceis, a saúde mental do Sr. Assange poderia se deteriorar e levá-lo a cometer suicídio”, concluiu.

O governo dos Estados Unidos quer a extradição de Assange para poder julgá-lo pelos crimes de vazamentos de dados sigilosos. Criador do Wikileaks, ele é acusado de ter levado a público informações sobre a invasão ao Afeganistão, eleições e outros problemas diplomáticos do país.

Agora, o governo dos EUA tem 14 dias para recorrer da decisão.

Asilo

Assange passou sete anos sendo asilado pela embaixada equatoriana na Inglaterra, o que gerou rusgas entre os países com os Estados Unidos. Em 2019, contudo, o presidente do Equador, Lenín Moreno, retirou o asilo, o que levou à prisão do ativista em solo inglês.

Julian Assange é considerado uma figura ambígua por defender a liberdade de informação. Entre os documentos divulgados pelo Wikileaks estão papéis que mostram violações deliberadas de direitos humanos pelos Estados Unidos na guerra contra o Afeganistão e Iraque.

Contudo, Assange também é visto como uma ameaça à soberania e segurança mundial, tendo em vista que disponibiliza documentos secretos que necessitam de sigilo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: