Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.603,88
    +56,89 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Justiça pede execução de dívida de R$ 2,8 milhões do Flu com empresário

LANCE!
·1 minuto de leitura


O Fluminense ganhou mais uma dor de cabeça em relação a dívidas atrasadas. De acordo com informações divulgadas pelo jornalista Caio Blois do UOL, nesta sexta-feira, a Justiça ordenou que seja executada a cobrança de R$ 2,8 milhões de um débito que o clube tem com a empresa Brazil Soccer, empresa de agenciamento de jogadores de propriedade de Eduardo Uram.

A movimentação mais recente havia ocorrido em agosto, mas a penhora não chegou a ser cumprida por um oficial de justiça. Uram atualmente é responsável por agenciar quatro jogadores que fazem parte do elenco atual do Fluminense: os laterais Egídio e Danilo Barcelos, o meio-campista Yago Felipe e o atacante Caio Paulista. As cobranças da Brazil Soccer se referem a comissões que o Tricolor das Laranjeiras não quitou entre 2015 e 2016, ainda na gestão de Peter Siemsen (da qual o atual mandatário, Mário Bittencourt, era vice de futebol).

As comissões seriam referentes a negociações dos jogadores Henrique, Renato, Guilherme Santos, João Filipe, Jean, Antonio Carlos, Cícero e Diego Souza teriam gerado o débito do tricolor. Segundo o UOL, a confissão foi feita na gestão de Pedro Abad, após negociação entre o vice de finanças Diogo Bueno e Eduardo Uram. Os acordos também ocorreram com outros agentes.

À época, o Fluminense lidava com mudanças devido ao fim da parceria com a cooperativa Unimed, que antes era responsável por ficar à frente destes acordos. Sem a patrocinadora, o Tricolor das Laranjeiras foi acumulando as dívidas.