Mercado abrirá em 7 h 16 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,10
    +0,81 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.762,50
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    42.467,00
    -3.284,57 (-7,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.059,06
    -75,32 (-6,64%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    23.966,13
    -133,01 (-0,55%)
     
  • NIKKEI

    29.949,89
    -550,16 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    15.076,00
    +66,50 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2910
    +0,0463 (+0,74%)
     

Justiça nega arresto de R$ 50 bilhões e mantém recuperação judicial da Samarco

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O juiz Adilon Cláver de Resende, da Segunda Vara Empresarial de Belo Horizonte, negou pedido do Ministério Público de Minas Gerais para suspender o processo de recuperação judicial da Samarco e arrestar R$ 50,7 bilhões de suas controladoras, a Vale e a BHP Billiton.

Em sua decisão, ele disse que a suspensão do processo seria uma "medida extrema e com forte indicação de prejuízos à Samarco e aos seus credores, especialmente os trabalhistas e fornecedores, bem como à economia das regiões e estados em que atua e a do próprio país".

A Promotoria acusa as empresas de "manobra fraudulenta" para blindar os controladores da Samarco da responsabilidade de custear os danos provocados pela tragédia de Mariana (MG), que deixou 19 mortos e um rastro de destruição em 2015.

Metade da dívida da recuperação judicial da Samarco, que soma R$ 50,7 bilhões, refere-se a empréstimos tomados com seus controladores, parte deles para aportar recursos na fundação Renova, responsável pela reparação dos danos provocados pelo rompimento da barragem de Fundão.

Para a Promotoria, os aportes de Vale e BHP na Renova deveriam ter sido feitos diretamente. O pedido de recuperação judicial, diz, "tem o claro intuito de excluir as controladoras de toda a responsabilidade pelo passivo gerado com o rompimento da barragem de Fundão".

O valor da dívida é alvo de disputa entre as mineradoras e outros credores da Samarco, que também acusam as controladoras de manobra que reduziria o valor recuperado por fundos de investimento detentores de títulos da empresa.

O plano apresentado aos credores prevê descontos de 85% no valor da dívida e prorrogação dos pagamentos para até 2041. Em julho, a proposta foi rejeitada pelos credores financeiros, repetindo que o principal objetivo do plano proposto é proteger as controladoras.

Quando os credores iniciaram os questionamentos ao plano, a empresa alegava que contou com o suporte da BHP e da Vale para manter suas obrigações com os empregados, fornecedores, para retomar suas operações e garantir as ações de reparação conduzidas pela Fundação Renova.

A inclusão dessa dívida entre os créditos a serem recuperados, alega, segue obrigação legal. O pedido de recuperação judicial, diz, "foi a alternativa encontrada para a empresa manter sua função social, os empregos e benefícios para as comunidades de Minas Gerais e do Espírito Santo".

A Promotoria diz que "é fato notório que Vale e BHP, acionistas controladoras, são empresas consideradas gigantes mundiais na exploração de minério, com plenas condições econômicas de suportar o pagamento do passivo arrolado pela Samarco em sua recuperação judicial".

Para o juiz, "há que se ter em mente o abalo e as consequências danosas que uma medida extrema como o arresto pode causar na vida das empresas e no próprio mercado, o que não se resume ao setor minerário, pois são companhias com forte atuação nas principais bolsas de valores do mundo".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos