Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.780,90
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    34.025,75
    +1.313,59 (+4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    814,74
    +20,41 (+2,57%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.632,94
    +323,18 (+1,14%)
     
  • NIKKEI

    28.916,68
    +32,55 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    14.294,25
    +36,00 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9118
    -0,0080 (-0,14%)
     

[ATUALIZADO] Justiça mantém a suspensão da venda de dados pela Serasa Experian

·2 minuto de leitura

[Atualizado com o posicionamento da Serasa Experian ao final do texto]

Na última quarta-feira (26), a 2ª Turma do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) decidiu manter a decisão que proíbe a Serasa Experian de comercializar dados pessoais de consumidores. Em uma liminar concedida em novembro de 2020, o tribunal havia determinado que a venda dessas informações vai contra os princípios da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

A empresa recorreu da decisão, que previa multa de R$ 5 mil para cada venda que fosse efetuada após a decisão. Entre as informações oferecidas aos clientes da Serasa Experian estavam gênero, idade, poder aquisitivo, classe social, localização, modelos de afinidade e triagem de risco de aproximadamente 150 milhões de CPFs.

A Ação Civil Pública foi proposta pelo MPDFT, que indicou que serviços como o Lista Online e o Prospecção de Clientes ofertavam dados individuais por R$ 0,98 cada. Na decisão contra a empresa, o TJDFT afirmou que a LGPD deixa clara a necessidade de expor a finalidade que será dada às informações vendidas e que a maneira como elas eram vendidas “fere o direito à privacidade das pessoas, bem como seus direitos à intimidade e à imagem”.

O desembargador responsável pela decisão também afirmou que, para compartilhar os dados, a companhia precisaria da autorização específica de cada pessoa — mesmo que as informações sejam fornecidas habitualmente em diversas ocasiões. Além de estarem em desacordo com a LGPD, as atividades da Serasa também estariam violando a Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor, o Código Civil e o Marco Civil da Internet.

Posicionamento oficial da Serasa Experian

Em contato com a reportagem realizada na manhã de sexta-feira (26), a Serasa Experian reafirmou que cumpre rigorosamente a legislação brasileira. Confira o posicionamento oficial da empresa:

A Serasa Experian reitera que cumpre rigorosamente a legislação vigente e que analisará oportunamente a decisão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos