Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,06
    -0,14 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.822,80
    +8,80 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    30.102,43
    -1.079,04 (-3,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.266,00
    +21,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2599
    +0,0008 (+0,02%)
     

Justiça libera posto para trabalhar sem frentista

***ARQUIVO*** Rankin, EUA. 28/09/2021 - Posto de gasolina no Texas, Estados Unidos, onde o autosserviço é permitido  (Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress)
***ARQUIVO*** Rankin, EUA. 28/09/2021 - Posto de gasolina no Texas, Estados Unidos, onde o autosserviço é permitido (Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma empresa de postos de combustíveis de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, foi autorizada pela Justiça Federal a oferecer o autosserviço de abastecimento aos clientes, que dispensa o trabalho de frentistas.

A modalidade é proibida no Brasil, mas funciona em outros países, como nos Estados Unidos.

No processo contra a União, a empresa afirmou que tem dificuldade para contratar frentistas na região e argumentou que a recarga de veículos elétricos já é feita pelo sistema de autosserviço.

O juiz Joseano Maciel Cordeiro, da 1ª Vara Federal do município, entendeu que a lei de 2000, que veda o serviço, é incompatível com outras legislações, como a da liberdade econômica e a da inovação tecnológica.

A União justifica que o manuseio de combustíveis requer prática e treinamento, além de conhecimento das normas de segurança. Também cita a preservação do emprego dos frentistas.

Na avaliação de Cordeiro, porém, a eventual permissão do uso de bombas de autosserviço não exime os postos de se submeterem à fiscalização dos órgãos competentes e não afasta a responsabilidade civil das empresas.

Ele também cita notas técnicas recentes do Ministério de Minas e Energia, que não classificam a atividade como de alto risco.

Cabe recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos