Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.916,46
    +2.537,54 (+2,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.854,33
    +587,13 (+1,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,92
    +1,86 (+4,32%)
     
  • OURO

    1.804,00
    -33,80 (-1,84%)
     
  • BTC-USD

    19.191,45
    +739,49 (+4,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,69
    +10,94 (+2,96%)
     
  • S&P500

    3.635,16
    +57,57 (+1,61%)
     
  • DOW JONES

    30.036,10
    +444,83 (+1,50%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.073,00
    +167,75 (+1,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3957
    -0,0446 (-0,69%)
     

Justiça impede que Eletronuclear transfira rejeito para unidade de armazenamento

·2 minuto de leitura

Decisão liminar foi concedida em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal que questiona a regularidade do licenciamento ambiental do novo depósito de resíduos A 1ª vara Federal de Angra dos Reis determinou que a Eletronuclear se abstenha de proceder a transferência de rejeitos radioativos das usinas de Angra 1 e 2 para a Unidade de Armazenamento Complementar a Seco para Combustíveis Irradiados (UAS) que está em fase de construção. A decisão liminar foi concedida em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) que questiona a regularidade do licenciamento ambiental para a construção do novo depósito de resíduos. Na ação, o MPF argumenta que os depósitos a seco possuem natureza jurídica de nova instalação nuclear, por isso não podem ser submetidos a um processo de licenciamento simplificado. Para tal projeto, são necessários estudo de impacto ambiental e divulgação do pertinente relatório de impacto ambiental (EIA/RIMA), audiências públicas, consulta prévia e informada às populações tradicionais circundantes e prévia aprovação do Congresso Nacional. Dois inquéritos civis públicos do MPF apuraram a regularidade do licenciamento ambiental do Repositório de Rejeitos Radioativos da Usina Nuclear de Angra 1, 2 e 3 e exigências relacionadas ao Licenciamento da Unidade de Armazenamento Complementar de Combustível Irradiado (UFC) da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA). Atualmente, o depósito inicial é feito em piscinas especialmente projetadas e construídas no interior do prédio de contenção das usinas nucleares, e são denominadas Piscinas de Combustíveis Usados (PCUs). Porém, está previsto para o próximo ano o esgotamento da capacidade de estocagem do rejeito nuclear. Diante da possibilidade de paralisação das operações destas unidades geradoras de energia, necessita-se da adoção de medidas para a ampliação dessa capacidade. Em 2015, a Eletronuclear optou pela implantação da UAS. Dessa forma, o Brasil caminha para ter as piscinas como depósitos iniciais dos rejeitos nucleares, a UAS como depósito complementar, estando pendentes os depósitos finais, que constituem a verdadeira e definitiva solução para os rejeitos radioativos. A UAS da CNAAA ocupará um polígono de 4.879,3 m² dentro do sítio do complexo de usinas. Para a execução do empreendimento, a empresa Holtec International venceu a licitação no valor total de US$ 50.277.018,00.