Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,93
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.863,80
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    40.088,52
    +1.122,33 (+2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.003,32
    +34,48 (+3,56%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.533,46
    -308,67 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.361,21
    +199,41 (+0,68%)
     
  • NASDAQ

    14.141,00
    +16,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1470
    +0,0155 (+0,25%)
     

Justiça federal manda arquivar inquérito contra líder indígena aberto pela PF a pedido da Funai

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Justiça Federal determinou o arquivamento do inquérito aberto pela Polícia Federal contra a líder indígena Sônia Guajajara.

A PF havia instaurado a investigação a pedido da Funai (Fundação Nacional do Índio) para apurar possível difusão de fake news por parte de Guajajara na web-série "Maracá", que acusa o governo Jair Bolsonaro de promover uma política de extermínio contra os povos indígenas por meio do desmatamento e do descontrole da pandemia da Covid-19.

O juiz federal Frederico Botelho Viana, da 10ª Vara Federal de Brasília, porém, afirmou que a iniciativa da polícia representa um "constrangimento ilegal" da líder indígena e suspendeu a tramitação do inquérito.

Com isso, o magistrado tornou nula a intimação para que Guajajara preste depoimento à PF.

No último dia 30, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), organização da qual Guajajara é uma das coordenadoras executivas, emitiu uma nota para informar que ela havia sido intimada a depor.

"As discussões tratadas na série consubstanciam-se em válidas manifestações do direito fundamental à liberdade de expressão. Não há ali qualquer tipo de conduta, seja ela comissiva ou omissiva, que justifique ilações quanto à legalidade das discussões e informações tratadas", disse o juiz.

A decisão do magistrado foi dada no habeas corpus apresentado pela Apib. O juiz também criticou a afirmação de que há indícios de estelionato por parte da entidade.

"Há uma tentativa malfadada de demonstrar que as ações voltadas à arrecadação de fundos para os fins institucionais da Apib seriam uma espécie de estelionato, o qual estaria sendo aplicado a partir de suposta difusão de fake news por meio da série de vídeos mencionada".

Os advogados de Guajajara afirmaram à Justiça que há "farta quantidade de documentos técnicos que evidenciam a ineficiência do governo federal em combater a pandemia nos territórios indígenas".

Além disso, disseram que "causa estranheza" o fato de a Funai, órgão responsável pela política voltada aos povos indígenas, ter tomado a iniciativa contra Guajajara.

Essa não foi a primeira vez que o governo federal investiu contra a líder indígena, ex-candidata a vice-presidente pelo PSOL, em 2018, na chapa de Guilherme Boulos.

Em setembro do ano passado, o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general da reserva Augusto Heleno, a acusou de "crime de lesa-pátria" após uma campanha publicitária da APIB veiculada na Europa que pedia o desfinanciamento do governo Bolsonaro por causa de sua política ambiental.