Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.528,10
    +692,41 (+2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Justiça dos EUA refuta acusações contra Nestlé e Cargill por trabalho forçado na Costa do Marfim

·2 minuto de leitura
Mulheres selecionam grãos de cacau na Costa do Marfim

A Suprema Corte dos Estados Unidos finalizou nesta quinta-feira (17) os processos abertos no país contra as gigantes Nestlé e Cargill, acusadas de cumplicidade no trabalho forçado de crianças nas plantações de cacau da Costa do Marfim.

O Tribunal de Apelações "se equivocou" ao "determinar que os demandantes poderiam recorrer aos tribunais federais porque as empresas haviam tomado 'decisões operacionais importantes' nos Estados Unidos", informou o Supremo em sua decisão, apoiado por oito de seus nove magistrados.

As ações foram abertas por seis cidadãos do Mali que afirmam terem sido capturados na infância e depois escravizados nas plantações da Costa do Marfim, onde a subsidiária americana do grupo suíço, Nestlé, e a gigante americana de comércio e processamento de commodities agrícolas, Cargill, compram cacau.

As denúncias apresentadas em 2005 nos Estados Unidos contra a Nestlé USA e a Cargill argumentam que ambas as empresas sabiam o que estava acontecendo e fecharam os olhos para "manter uma vantagem competitiva".

Depois de várias idas e vindas, os tribunais federais validaram o procedimento iniciado em virtude de uma lei de 1789, o "Alien Tort Statute", que permite recorrer à justiça civil americana em casos de violação do direito internacional.

Essa lei, inicialmente concebida para combater atos de pirataria, foi retomada sob o impulso dos defensores dos direitos humanos. Mas a Suprema Corte restringiu repetidamente seu alcance, inclusive em 2018, quando proibiu processos contra empresas estrangeiras.

Além da retirada das acusações contra as empresas, Nestlé e Carghill pediram para que atos de "cumplicidade" também fossem excluídos da aplicação dessa lei para empresas americanas.

Porém, a Suprema Corte não concordou com elas neste ponto, e se focou nas circunstâncias do presente caso, considerando que todos os "atos relativos à cumplicidade no trabalho forçado - organizar treinamentos, comprar fertilizantes, ferramentas e enviar dinheiro em espécie para fazendas - ocorreram na Costa do Marfim", território sobre a qual os tribunais dos Estados Unidos não têm jurisdição.

chp/dax/yow/yo/bn/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos