Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.696,67
    -2.076,38 (-4,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Justiça decreta prisão preventiva de mãe e madrasta de menina internada no Rio

LUÍS COSTA
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Justiça do Rio de Janeiro decretou a prisão preventiva de duas mulheres suspeitas de torturar uma menina de seis anos no município de Porto Real. A criança está internada em estado grave desde a última segunda-feira (19). As duas já estavam presas, autuadas em flagrante, desde aquele dia. Em decisão expedida após audiência de custódia nesta quinta-feira (21), o juiz Marco Aurélio da Silva Adania considerou que as investigações apontaram contínuas agressões à criança pela mãe, de 28 anos, e pela madrasta, de 25, que moravam juntas desde o ano passado. "Consta dos autos que a vítima teria sido espancada pela mãe e pela companheira, ora custodiadas, com socos e chutes por diversas vezes, além de ser arremessada contra a parede e contra um barranco de 7 metros de altura e ser chicoteada com um cabo de TV", diz trecho da sentença. Ainda segundo a decisão, a vítima, internada em um hospital privado no município de Resende, apresenta "hemorragia intracraniana inoperável e sério risco de vir a óbito ou permanecer em estado vegetativo". Segundo a apuração da polícia, as agressões, começaram na noite de sexta-feira (16) e continuaram até o fim da noite de domingo (18). A investigação também aponta que a criança não estava sendo alimentada há meses. Para a decisão, o magistrado levou em conta depoimento à Polícia Civil. Segundo a polícia, as mulheres confessaram a tortura. O caso é investigado pela 100ª Delegacia de Polícia do Rio, que ainda deve mais testemunhas antes de concluir o inquérito. A reportagem não conseguiu localizar a defesa das suspeitas. Um defensor público esteve presente apenas na audiência e não acompanhará o caso. A Defensoria Pública não informou quem assumirá a defesa de mãe e madrasta. Em entrevista ao jornal Extra, a mãe da madrasta, que mora na mesma casa, disse que só chamou socorro médico na manhã de segunda-feira, quando a criança já não se mexia. A mulher, autuada por omissão, afirmou que foi ameaçada pela filha para não contar a verdade sobre as agressões. Além desse, outro caso violência contra criança no Rio ganhou repercussão. O garoto Henry Borel Medeiros, 4, morreu com sinais de violência em março, na Barra da tijuca, zona oeste do Rio. Foram presos a mãe dele, a professora Monique Medeiros, e o padrasto, o vereador Jairo Souza Santos, conhecido como Dr. Jairinho (Solidariedade). O laudo de necropsia de Henry mostrou que a criança já chegou morta ao hospital e que as causas do óbito foram "hemorragia interna" e "laceração hepática" (lesão no fígado), produzidas por uma "ação contundente" (violenta).