Mercado abrirá em 26 mins
  • BOVESPA

    116.464,06
    -915,94 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,94 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,85
    +0,24 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.841,90
    -9,00 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    31.510,32
    -847,23 (-2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    633,53
    -6,39 (-1,00%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.613,90
    -40,11 (-0,60%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,01 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.521,25
    +35,75 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4908
    -0,0200 (-0,31%)
     

Justiça decreta falência da Avianca Brasil

IVAN MARTÍNEZ-VARGAS
·3 minuto de leitura
Foto: Fredy Builes/VIEW press via Getty Images
Foto: Fredy Builes/VIEW press via Getty Images

A Justiça de São Paulo decretou nesta terça-feira (14) a falência da linha aérea Avianca Brasil a pedido da própria empresa, que tinha dívidas superiores a R$ 2,7 bilhões. A companhia estava em recuperação judicial desde dezembro de 2018, e inoperante desde maio do ano passado.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A decisão do juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, afirma que o plano de recuperação judicial da Avianca tornou-se inexequível considerando a inatividade da empresa.

Leia também

O magistrado deu 60 dias para que a empresa liste seus ativos, mas credores avaliam que a empresa não possui mais ativos para quitar nenhuma dívida.

A aérea não pagou até o momento nem mesmo os créditos trabalhistas, que têm pagamento preferencial no plano de recuperação judicial. A Avianca Brasil chegou a ter mais de 5.300 funcionários, segundo o sindicato dos aeroviários (trabalhadores em solo) de São Paulo.

Operadores aeroportuários e companhias de leasing, em sua maioria, já desistiram de tentar receber a parte que lhes cabe, segundo pessoas familiarizadas com o caso. Já credores maiores avaliam seguir exemplo da Azul e rastrear ativos do empresário José Efromovich, que controlava a Avianca Brasil.

A sentença de Limongi atendeu à soliticação de autofalência da companhia de Efromovich feito no último dia 3. No pedido, a Avianca Brasil afirmou que a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e decisões judiciais que suspenderam o leilão de seus slots (horários de pousos e decolagens) tornaram impossível o cumprimento de seu plano de recuperação judicial.

A empresa, que chegou a ter 11% de participação no mercado doméstico, entrou em crise em 2018 e deixou de pagar contratos de arrendamento de aeronaves e motores de sua frota, que chegou a ter mais de 50 aviões, todos alugados.

As companhias de leasing donas dos equipamentos entraram na Justiça para retomar os bens, conforme antecipado peal Folha de S. Paulo, o que levou a Avianca Brasil a pedir a recuperação judicial em dezembro de 2018.

O plano de recuperação judicial, aprovado em abril do ano passado, previa o leilão de slots da companhia em três lotes em maio de 2019. O certame foi questionado na Justiça por credores da Avianca e pela própria Anac, que entenderam que os ativos não poderiam ser leiloados por serem concessões.

Com a perda de aviões na Justiça por inadimplência de arrendamento, a Avianca passou a atrasar salários e pedidos de reembolso, cancelar voos e deixar de pagar fornecedores e aeroportos, o que levou a Anac a suspender sua concessão em maio.

O leilão dos slots foi adiado pela Justiça e só foi realizado em julho, com a participação de Gol e Latam, que arremataram dois lotes por US$ 147 milhões. O evento foi inócuo, porém, porque a Anac distribuiu os slots da Avianca tendo em vista o descumprimento das obrigações da aérea previstos em seu contrato de concessão. Em Congonhas, Azul, Passaredo e MAP levaram os horários.

Gol e Latam disputaram os ativos da Avianca Brasil com a Azul, que chegou a fazer um acordo para a compra dos ativos por US$ 105 milhões. A concorrente também fez empréstimos à Avianca e cobrou na Justiça R$ 61,7 milhões de José Efromovich referente ao negócio.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.