Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.490,79
    +648,66 (+2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Justiça decide que a Buser poderá operar livremente no Rio

·2 min de leitura

Depois de embates jurídicos pelo controle da operação dos transportes rodoviários intermunicipais no Rio de Janeiro, a 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJ-RJ) negou, por unanimidade, um recurso do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários (Sinterj), que queria suspender atividades da Buser no estado. No entendimento do Judiciário, o modelo de negócios da Buser opera dentro da legalidade, já que “atua como empresa de intermediação digital por meio de um aplicativo, que conecta passageiros e motoristas para a realização de fretamento”. Em nota, o corpo jurídico do Sinterj informou que ainda não foi notificado, mas que vai recorrer da decisão.

Operadora está nos 26 estados

Anteriormente, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) já havia liberado as operações de fretamento colaborativo em viagens interestaduais partindo do Rio de Janeiro. A decisão desta semana do TJ-RJ vale para as rotas que ligam municípios fluminenses. Há quatro anos operando no Brasil, a Buser está presente em todos os 26 estados do país.

Recentemente, a empresa alcançou a marca de cinco milhões de clientes cadastrados em sua base e mantém a sua operação em parceria com centenas de viações e empresas de fretamento de todo o país, que comercializam as viagem por meio do aplicativo — o que impacta diretamente sobre os ganhos das viações tradicionais.

Em alguns casos, as viagens da Buser chegam a custar até 60% menos que o valor cobrado por empresas regulares. Isso é possível, segundo a operadora, graças ao chamado “fretamento colaborativo”, por meio do qual o passageiro cadastrado no aplicativo passa a integrar um grupo que pretende ir para o mesmo destino. Por se tratar de uma viagem com os custos rateados, não há pagamento de outras taxas cobradas por empresas regulares, como embarque ou pedágio.

‘Liberdade de escolha’

Para o CEO da Buser, Marcelo Abritta, a decisão da Justiça do Rio fortalece a concorrência do setor de transportes e incentiva uma melhor prestação de serviço ao consumidor.

— A Justiça decidiu que o sistema de fretamento é legal e não pode ser interrompido. O tempo do oligopólio terminou. Os brasileiros já sabem que agora existem alternativas mais baratas — afirmou.

A Buser pretende transportar até 500 mil passageiros para o Rio entre o dia 10 de dezembro deste ano e 10 de janeiro de 2022. Atualmente, a empresa opera com 12 pontos de embarque na cidade. Apenas em outubro, 600 mil pessoas viajaram por meio da plataforma em todo o Brasil e, deste total, 30% partiram do Rio

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos