Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.954,70
    +2.575,78 (+2,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.717,34
    +450,14 (+1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,88
    +1,82 (+4,23%)
     
  • OURO

    1.805,00
    -32,80 (-1,78%)
     
  • BTC-USD

    19.046,39
    +594,43 (+3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,44
    +8,69 (+2,35%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.080,75
    +175,50 (+1,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3870
    -0,0533 (-0,83%)
     

Justiça dá aval para Petrobras licitar plataforma de Libra

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Justiça Federal acatou parcialmente pedido da Petrobras e permitiu que a petroleira retome a licitação da plataforma piloto de Libra, para o pré-sal da Bacia de Santos, desde que não se autorize por ora a assinatura e a entrega do objeto do respectivo contrato. A ação que havia suspendido prosseguimento da concorrência em janeiro foi movida pelo Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), sob alegação de que o processo não cumpre regras de conteúdo local estipuladas em contrato. Libra é tida como uma das áreas exploratórias do setor de óleo e gás mais promissoras do país. A plataforma piloto está prevista para entrar em operação comercial em 2020. Em seu pedido, a Petrobras afirmou que a continuidade do certame é imprescindível para que a empresa possa demonstrar à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) que o preço praticado pela indústria nacional está acima do preço praticado no mercado internacional. Segundo o tribunal, a agência reguladora argumentou que a suspensão da concorrência impossibilitaria a própria apreciação do pedido da Petrobras para o não cumprimento do conteúdo local previsto em contrato. "Não considero caracterizado o perigo de dano e o risco ao resultado útil do processo pela simples abertura e continuidade do procedimento licitatório, desde que, seja acentuado, não se autorize a assinatura do contrato", afirmou o Tribunal Regional Federal da Primeira Região, em decisão publicada nesta segunda. "Esta decisão tem eficácia até que julgado o presente recurso, ou proferida sentença pelo juízo de primeiro grau." A diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes, afirmou recentemente que o consórcio de Libra precisa ser liberado da atual obrigação de conteúdo local para que a plataforma piloto do projeto seja licitada. A executiva chegou a dizer que a plataforma não seria viável sem uma flexibilização nas regras atuais. O consórcio da área de Libra é formado pela Petrobras (operadora com 40 por cento), Shell (20 por cento), Total (20 por cento) e as chinesas CNPC (10 por cento) e CNOOC (10 por cento). (Por Marta Nogueira)