Mercado abrirá em 2 h 49 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,55
    -0,33 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.924,90
    -5,90 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    23.423,38
    -388,50 (-1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,62
    -10,69 (-1,96%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.829,03
    +8,87 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.609,00
    -237,75 (-1,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4843
    -0,0054 (-0,10%)
     

Justiça britânica analisa processo contra Cuba por falta de pagamento de dívida milionária

A Justiça inglesa começou a analisar nesta segunda-feira (23) um processo contra o Estado cubano e o Banco Nacional de Cuba (BNC), movido por um fundo de capital de risco que reivindica milhões de uma dívida soberana. Entretanto, Havana não reconhece o fundo como credor.

A juíza Sara Cockerill, do Supremo Tribunal de Londres, começou a escutar argumentos e depoimentos para determinar se considera um credor legítimo o CRF-I Limited, fundo localizado nas Ilhas Cayman - um território britânico retirado da lista europeia de paraísos fiscais há dois anos.

Dessa forma, a juíza analisará esta questão primeiro e não julgará a principal acusação do processo neste momento.

Marcadas para acontecer até a próxima quarta-feira, as audiências incluirão depoimentos de algumas testemunhas de Cuba por videoconferência. Depois, a magistrada deve levar semanas para definir uma sentença, a qual cabe recurso.

Cockerill também julgou por anos um conflito entre Nicolás Maduro e Juan Guaidó, cujo controle de dois bilhões de dólares em ouro venezuelano guardados no Banco da Inglaterra estavam em disputa.

- Principal credor privado -

O caso contra Cuba foi iniciado pelo CRF-I Limited em fevereiro de 2020.

O fundo é o principal detentor da dívida cubana no chamado Clube de Londres, grupo informal de credores privados da dívida soberana.

"Criado para investir na dívida soberana não paga por Cuba", o CRF adquiriu gradualmente uma carteira avaliada em 1,2 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão) em novembro de 2017, segundo o processo judicial.

Neste processo, o fundo reivindica 72 milhões de euros em empréstimos feitos pelo Banco Nacional de Cuba (BNC) com os bancos europeus Crédit Lyonnais Bank Nederland e Istituto Bancario Italiano, em 1984.

Embora Cuba tenha pegado emprestado 11,5 milhões e 2,9 milhões de euros, respectivamente, o CRF alega que quando obteve, em 2019, o direito de executar os empréstimos, eles superavam 52 milhões e 18 milhões de euros incluindo os juros.

Cuba recebeu uma proposta de reestruturação da dívida com um desconto considerável. Entretanto, o governo rejeitou e argumentou que este "fundo abutre" não é o credor original e que as entidades europeias não poderiam transferir sua dívida sem o consentimento do Estado cubano e o Banco Nacional de Cuba.

O BNC serviu como banco central desde a sua fundação, em 1948, até a criação do Banco Central de Cuba (BCC), em 1997. Desde então, não possui poder para agir em nome do governo cubano.

- Acusação de suborno -

As autoridades cubanas alegaram que o CRF havia subornado um funcionário do BNC para aprovar ilegalmente a transferência. O empregado apontado foi o diretor de operações, Raúl Eugenio Olivera Lozano, depois sancionado criminalmente.

O CRF negou a acusação de corrupção, que foi posteriormente retirada pela parte cubana.

Nesta segunda-feira, a advogada britânica do Estado cubano, Alison MacDonald, optou por uma defesa técnica e baseada nos procedimentos legais, de cessão da dívida soberana para credores privados.

"O senhor Lozano assinou os documentos sozinho" e "o banco não tinha poder nem capacidade para atuar em nome de Cuba", enfatizou MacDonald, ao revisar cada um dos textos contratuais e garantir que não constituem nenhuma obrigação legal para o Estado.

O fundo defende que não adquiriu a dívida diretamente do Crédit Lyonnais e do Istituto Bancario Italiano, mas sim do banco de investimentos chinês ICBC Standard Bank PLC.

"A questão principal em litígio neste caso é (...) se o BNC deu consentimento prévio à aquisição pelo ICBC", indicou seu advogado, Jawdat Khurshid, garantindo que este "tinha direito a fazê-lo em virtude da legislação inglesa".

Refutou ainda as afirmações de MacDonald segundo as quais o procedimento requereria duas assinaturas, e não apenas a de Olivera Lozano, para ser válido.

Afirmou que esta bastava, junto com o carimbo do banco, e se propôs a demonstrar nos próximos dias que não era necessária a aprovação do Ministério de Finanças e Preços, como afirmam as autoridades cubanas.

Defendeu que sua intenção de renegociar a dívida com desconto demonstra que o CRF não "pode propriamente ser definido como um fundo abutre".

acc/zm/ms/ic/am