Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,48
    +0,34 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.886,40
    +1,60 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.303,83
    +523,48 (+2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,00
    +12,05 (+2,29%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.479,80
    -205,67 (-0,74%)
     
  • NASDAQ

    12.747,25
    -29,50 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5782
    +0,0011 (+0,02%)
     

Justiça britânica analisa processo contra Cuba por pagamento de dívida milionária

A Justiça inglesa começou a analisar nesta segunda-feira (23) um processo contra o Estado cubano e o Banco Nacional de Cuba (BNC), movido por um fundo de capital de risco que reivindica milhões de uma dívida soberana. Entretanto, Havana não reconhece o fundo como credor.

A juíza da divisão comercial do Supremo Tribunal de Londres, Sara Cockerill, começou a escutar argumentos para determinar se considera o CRF-I Limited, fundo localizado nas Ilhas Cayman - um território britânico ultramarino retirado das listas de paraísos fiscais há dois anos pela União Europeia -, credor legítimo neste caso.

Dessa forma, a juíza analisará esta questão primeiro e não julgará a principal acusação do processo neste momento.

Marcadas para acontecer durante toda esta semana e parte da próxima, as audiências serão mais complicadas, já que contam com depoimentos de algumas testemunhas de Cuba por videoconferência. Além da diferença de horário em relação a Londres, também terá tradução simultânea e consecutiva de acordo com os casos.

Depois, a magistrada deve levar semanas para definir uma sentença, a qual cabe recurso para a parte prejudicada.

Cockerill também julgou por anos um conflito entre Nicolás Maduro e Juan Guaidó, cujo controle de dois bilhões de dólares em ouro venezuelano guardados no Banco da Inglaterra estavam em disputa.

- Principal credor privado -

O caso contra Cuba foi iniciado pelo CRF-I Limited em fevereiro de 2020.

O fundo é o principal detentor da dívida cubana no chamado Clube de Londres, grupo informal de credores privados da dívida soberana.

"Criado para investir na dívida soberana não paga por Cuba", o CRF adquiriu gradualmente uma carteira avaliada em 1,2 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão) em novembro de 2017, segundo o processo judicial.

Neste processo, o fundo reivindicou 72 milhões de euros em empréstimos feitos pelo Banco Nacional de Cuba (BNC) com os bancos europeus Crédit Lyonnais Bank Nederland e Istituto Bancario Italiano, em 1984.

Embora seja uma parcela menor do valor total na carteira, o reconhecimento do pedido pela Justiça abrirá portas para pedidos maiores.

Cuba recebeu uma proposta de reestruturação da dívida com um desconto considerável. Entretanto, o governo rejeitou e argumentou que este "fundo abutre" não é o credor original e que as entidades europeias não poderiam transferir sua dívida sem o consentimento do Estado cubano e o Banco Nacional de Cuba.

O BNC serviu como banco central desde a sua fundação, em 1948, até a criação do Banco Central de Cuba (BCC), em 1997. Desde então, não possui poder para agir em nome do governo cubano ou administrar a dívida externa do país.

- Retirada da acusação de suborno -

Em primeiro momento, as autoridades cubanas alegaram que o CRF havia subornado um funcionário do BNC para aprovar ilegalmente a transferência. O empregado apontado foi o diretor de operações, Raúl Eugenio Olivera Lozano, posteriormente sancionado criminalmente.

Sua ação "descumpriu os requisitos legais estabelecidos tanto nos acordos submetidos às leis inglesas, como nas normas internas do BNC e as leis cubanas, razão pela qual é nula e sem efeito", afirmaram as autoridades.

O CRF negou a acusação de corrupção, que foi posteriormente retirada pela parte cubana.

Nesta segunda-feira, em seus argumentos iniciais, a advogada britânica do Estado cubano Alison MacDonald optou por uma defesa técnica e baseada nos procedimentos legais, de cessão da dívida soberana para credores privados.

"O senhor Lozano assinou os documentos sozinho" e "o banco não tinha poder nem capacidade para atuar em nome de Cuba", enfatizou MacDonald, ao revisar cada um dos textos contratuais e garantir que não constituem nenhuma obrigação legal para o Estado.

acc/zm/ms