Mercado abrirá em 2 h 44 min
  • BOVESPA

    113.794,28
    -1.268,26 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,98
    -0,63 (-0,87%)
     
  • OURO

    1.766,00
    +9,30 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    47.695,01
    -285,83 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.215,90
    -17,39 (-1,41%)
     
  • S&P500

    4.473,75
    -6,95 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    34.751,32
    -63,07 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.022,30
    -5,18 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.487,25
    -30,50 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2102
    +0,0254 (+0,41%)
     

Justiça autoriza justa causa de trabalhadora que furou quarentena e viajou

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O descumprimento da quarentena em caso de suspeita de contaminação por Covid-19 pode dar demissão por justa causa, decidiu o TRT-12 (Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região), que julga disputas entre patrões e empregados em Santa Catarina.

A trabalhadora que recorreu à Justiça do Trabalho foi demitida de um supermercado em agosto do ano passado. No período em que deveria estar em casa, cumprindo quarentena por suspeita de contaminação pelo coronavírus, ela viajou com o namorado para Gramado, cidade turística na região serrana do Rio Grande do Sul.

Na ação, ela defendeu que apesar de concordar que errou ao descumprir o isolamento, considerou desproporcional a aplicação da justa causa, uma vez que não forjou atestado para deixar de trabalhar.

Nesse tipo de demissão, o trabalhador não recebe a multa de 40% do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviços) e não tem direito a aviso prévio nem ao seguro-desemprego.

Na primeira instância, o juiz Roberto Masami Nakajo, da 2ª Vara do Trabalho de Brusque, considerou que, ao viajar, a trabalhadora considerou apenas os próprios interesses.

"Nesse difícil momento decorrente da pandemia de coronavírus, o que se esperava da autora seria uma atitude visando o bem estar comum (coletivo), mas mesmo com suspeita médica de contágio (e de propagação) do vírus preferiu viajar para local frequentado por várias pessoas que poderiam ter pego e espalhado o vírus nos seus municípios de origem", escreveu Nakajo, em sentença de outubro de 2020.

A trabalhadora demitida recorreu e, no dia 30 de junho, os desembargadores da 3ª Câmara do TRT-12 mantiveram a justa causa.

Na avaliação do advogado Matheus Vieira, do Souza, Mello e Torres Advogados, pesou contra a trabalhadora o benefício do afastamento imediato, a partir do atestado de médico particular apontando a suspeita de contaminação.

As leis e portarias publicadas pelo governo federal no ano passado para regular o enfrentamento à pandemia definem que o trabalhador com suspeita de contaminação pela Covid-19 deve ser colocado em quarentena. Até o exame acusar se ele está ou não infectado, a empresa segue pagando seu salário.

"Ela se beneficiou da situação. Sabia que estava com o contrato suspenso, não trabalhou e viajou. Não só não se protegeu, mas expôs também os demais, a sociedade em si", diz Vieira.

O advogado considera que, além de cumprir a quarentena, a trabalhadora deveria ter comunicado à empresa que estava assintomática ou com o exame negativo.

Para a relatora do recurso no TRT-12, desembargadora Quezia Gonzalez, o cumprimento da quarentena era a única condição para que as faltas fossem consideradas justificadas. Ao usar esse direito de maneira inadequada, a trabalhadora descumpriu suas obrigações contratuais.

A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) prevê 14 tipos de condutas consideradas faltas graves do trabalhador e nas quais cabem a justa causa. No caso da funcionária que furou a quarentena, a empresa aplicou os artigos que preveem mau procedimento e ato de indisciplina.

"Tendo a obreira [a trabalhadora] deixado de prestar serviço, sob o pretexto de cumprimento da medida quarentenária, resta nítido que há repercussão sobre a relação contratual, rompendo o liame de confiança entre as partes", escreveu a relatora.

Além de não ter conseguido reverter a justa causa, a trabalhadora de Santa Catarina também foi condenada por litigância de má-fé, quando uma das partes altera a verdade dos fatos ou provoca incidentes infundados na ação.

Para o juiz Roberto Masami Nakajo, a trabalhadora, ao acionar a Justiça do Trabalho, adotou procedimento temerário e desleal. Ela terá de pagar um multa R$ 1.806,60, o equivalente a 10% do valor da causa, e mais R$ 361,32, referente aos custos da ação. Ainda cabe novo recurso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos