Mercado abrirá em 24 mins
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,98
    -0,97 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.811,10
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    39.197,44
    -2.475,65 (-5,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    956,12
    +6,22 (+0,65%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.077,27
    +44,97 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.014,25
    +58,50 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1246
    -0,0634 (-1,02%)
     

Justiça austríaca condena Facebook em caso de acesso a dados

·1 minuto de leitura
Justiça austríaca condena Facebook em caso de acesso a dados

A Justiça austríaca condenou o Facebook por ter informado um de seus usuários apenas parcialmente sobre seus dados pessoais coletados sem seu conhecimento - anunciou a organização não-governamental NOYB em um comunicado.

Procurada pela AFP, a rede social não quis comentar a decisão.

A Suprema Corte da Austrália decidiu que Max Schrems, conhecido ativista da proteção de dados, não obteve, por parte do gigante digital, "todos os dados brutos e informações cruciais, como a base jurídica, por meio da qual seus dados foram processados", informou esta ONG com sede em Viena.

A Justiça austríaca condenou o Facebook a pagar 500 euros (em torno de US$ 589) ao demandante. Também aceitou, pela primeira vez, consultar o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) sobre o respeito, por parte da rede social em questão, do marco jurídico europeu relacionado ao uso de dados dos clientes.

"É muito importante", disse Max Schrems à AFP, em alusão a este último ponto.

Schrems lidera uma equipe de advogados. Sua ONG lançou uma série de denúncias legais para forçar as empresas digitais a respeitarem a privacidade de seus usuários.

Fundada em 2018, a NOYB (acrônimo em inglês de "None of your business", ou "Não é da sua conta", em tradução livre) tem como objetivo proteger a privacidade on-line frente aos Gafa - como são chamados Google, Amazon, Facebook e Apple.

Max Schrems luta, há dez anos, contra as práticas destes gigantes do Vale do Silício. Segundo o ativistas, estas empresas ignoram a legislação "de maneira deliberada", como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) europeu.

jza/bg/abx/mar/zm/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos