Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.608,52
    -623,86 (-1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Justiça aceita pedido da Educação Metodista para elaborar plano de recuperação judicial

EDUARDO CUCOLO
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça do Rio Grande do Sul aceitou o pedido do grupo Educação Metodista e concedeu uma liminar (decisão provisória) que garante proteção judicial para que a instituição possa preparar um plano de recuperação. Enfrentando uma série de dificuldades financeiras desde 2015, a instituição deu entrada no pedido de medida cautelar na última sexta-feira (9). Nesta quarta-feira (14), o juiz Gilberto Schäfer, da 2ª Vara Empresarial do TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul) , deferiu o pedido. Segundo a Metodista, a partir desta decisão judicial, o grupo de ensino deve apresentar o pedido de recuperação judicial no prazo de 30 dias. "Com o deferimento da cautelar, a Educação Metodista ganha fôlego e liquidez para conservar sua capacidade de operação, uma vez que as ações e execuções ficam suspensas. Neste momento, também têm início as negociações com os credores para a elaboração do plano de reestruturação do grupo de ensino", informou a empresa. A instituição afirma que não há planos de fechar unidades, que as perspectivas de recuperação são boas e que o processo vai garantir que as atividades de ensino não sejam interrompidas por ações isoladas de alguns credores. "É uma grande vitória para a Educação Metodista, que poderá organizar suas dívidas, negociar e pagar todos os seus credores e ainda ressurgir, como uma nova administração, para continuar oferecendo empregos e bancos escolares a toda a sociedade", afirma Luiz Roberto Ayoub, sócio do Galdino & Coelho Advogados, escritório que está à frente do processo. A Educação Metodista iniciou suas atividades no Brasil em 1881. Atualmente, possui 19 mil alunos e 3.000 funcionários, sendo 1.200 docentes, distribuídos em 11 colégios e 6 instituições de ensino superior em três estados (Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais). A empresa possui uma dívida de R$ 500 milhões, sendo que 60% do valor se refere ao passivo trabalhista e o restante a bancos e fornecedores. No último ano, houve corte de 1.300 funcionários. Desde 2017, o número de alunos foi reduzido em 60%, com a consequente perda de receita. Os problemas financeiros tiveram início com a mudança nas regras do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) e se acentuaram com o cenário econômico de recessão dos últimos anos. A pandemia de Covid-19 agravou a situação, segundo a empresa. "O grupo educacional adotou todas as medidas possíveis para reduzir perdas e preservar escolas e instituições de ensino superior. Neste sentido, a Educação Metodista optou pela recuperação judicial a fim de manter suas atividades acadêmicas", diz a empresa. O plano deve incluir a venda de ativos que não estejam ligados à operação educacional e foco nos negócios no RS, embora a estratégia da recuperação possa alavancar impulsionar também as atividades em São Paulo, que responde por uma parte importante da operação. * RAIO-X Educação Metodista Início das atividades no Brasil: 1881 Funcionários: 3.000, sendo 1.200 docentes Alunos: 19 mil Rede de ensino: 11 colégios e 6 instituições de ensino superior Regiões em que atua: Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais