Mercado abrirá em 1 h 38 min

Justiça aceita denúncia contra 15 pessoas por fraudes no Postalis

Luísa Martins e Isadora Peron
·2 minutos de leitura

Réus responderão por gestão fraudulenta, desvios de recursos, tráfico de influência e lavagem A Justiça Federal de Brasília aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) e tornou rés 15 pessoas por fraudes no Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios. Na mesma decisão – assinada em 1º de junho, quando o processo ainda estava sob sigilo –, o juiz Marcus Vinicius Reis Bastos bloqueou R$ 259,7 milhões em bens dos acusados, para garantir a reparação do dano causado caso eles venham a ser condenados. Marco Aurélio Mibach/Raw Image/Folhapress Ex-dirigentes do Postalis e empresários responderão por gestão fraudulenta, negociação de valor mobiliário sem lastro, desvios de recursos de instituição financeira, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. De acordo com as investigações, o Postalis fez um aporte de R$ 118,5 milhões no fundo de investimentos Eletronic Trading Brazil (ETB), em 2010, para um suposto projeto de criação de uma nova bolsa de valores no país. O investimento, visando a aquisição de 25% do patrimônio da ETB, foi feito por meio de duas empresas do grupo BNY Mellon. O fundo de investimentos, por sua vez, buscava comprar 100% das ações da empresa Marco Polo Latin América (MPLA). A empresa Baker Tilly, que realizou a avaliação econômico-financeira do negócio, elaborou documento superestimando o valor da Marco Polo, "levando o Postalis a investir recursos incompatíveis com a realidade". O negócio entre as empresas e os executivos do Postalis contava ainda com um intermediador, que recebia 10% do valor investido no ETB para exercer influência na decisão dos gestores do investimento. De acordo com o MPF, todo esse processo "não passou de uma espécie de simulação para promover o desvio dos recursos garantidores do Postalis, em esquema ilícito". Os procuradores pedem que os denunciados paguem R$ 779 milhões em reparação econômica e moral – o triplo do valor desviado do fundo de pensão. Os envolvidos ainda estão sendo procurados pelo Valor para comentarem as acusações.