Mercado abrirá em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,58
    +0,11 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.878,50
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    22.599,58
    -610,91 (-2,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,50
    -16,40 (-3,05%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.499,63
    +216,11 (+1,02%)
     
  • NIKKEI

    27.626,86
    +20,40 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.594,00
    +48,75 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5776
    +0,0102 (+0,18%)
     

Juros vão continuar subindo em 'ritmo sustentado', diz presidente do BCE

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, reiterou nesta segunda-feira (23) a intenção da entidade monetária de continuar elevando os juros "a um ritmo sustentado" para frear a inflação alta na zona do euro.

"As taxas de juros do BCE terão que continuar aumentando significativamente a um ritmo sustentado para alcançar níveis suficientemente restritivos" e "permanecer, assim, pelo tempo que for necessário", afirmou Lagarde, durante uma recepção do operador da bolsa de Frankfurt.

O BCE elevou suas taxas de juros em 2,50 pontos percentuais em menos de seis meses, o aumento mais rápido de sua história.

"Temos que reduzir a inflação" e "vamos alcançar este objetivo", insistiu Lagarde.

No momento, a inflação na Europa "é alta demais", declarou.

Este aumento dos preços se explica "em parte por nossa vulnerabilidade" frente às mudanças "da geopolítica da energia", explicou.

O início da invasão russa da Ucrânia "levou a inflação energética na zona do euro a níveis extraordinários" e provocou um aumento geral dos preços de mais de 10% em outubro.

Enquanto a inflação energética diminuiu recentemente, a inflação subjacente - exceto os preços da energia e dos alimentos - continua aumentando.

"Consequentemente, é vital que as taxas de inflação superiores à meta de 2% do BCE não se enraízem na economia", concluiu Lagarde.

O BCE vai voltar a elevar as taxas de juros em fevereiro e muito provavelmente nos próximos meses.

jpl/clp/sag/mb/mvv