Mercado abrirá em 2 h 58 min

Juros futuros fecham em leve queda com dólar e BC no radar

Lucas Hirata

A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou em 2,055% (de 2,06% no ajuste anterior) e a do DI para janeiro de 2022 marcou 3,02% (3,05% no ajuste anterior) As taxas dos juros futuros chegaram no fim da sessão regular desta quinta-feira (16) com alguma queda em vértices intermediários. O alívio do dólar contra o real e a redução de pressão nas taxas, após o megaleilão do Tesouro, contribuíram para esse resultado, enquanto os investidores monitoraram os comentários do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Às 16h, no fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou em 2,055% (de 2,06% no ajuste anterior), enquanto a do DI para janeiro de 2022 marcou 3,02% (3,05% no ajuste anterior) e a do DI para janeiro de 2023 foi a 4,14% (4,16% no ajuste anterior). Já a do DI para janeiro de 2025 fechou estável em 5,61% e a do DI para janeiro de 2027 ficou em 6,44% (6,42% no ajuste anterior).

O presidente do Banco Central voltou a mostrar um certo otimismo com a retomada da economia brasileira hoje. E apontou que as perspectivas recentes menos pessimistas para a economia brasileira neste ano podem ter impactos sobre a inflação. Esses impactos sobre a trajetória de preços, entretanto, tendem a ser menores do que as revisões de projeções para a atividade.

"Entendemos que o hiato (medida de ociosidade da economia) é bastante grande. Essas revisões de crescimento, essas assimetrias nas revisões de crescimento, terão um impacto de uma assimetria na mesma direção, mas muito menor, na inflação", disse, em live promovida pelo Itaú, afirmando que "ainda existe um grau de conforto grande" no quadro inflacionário. "Pode ser até que ela (inflação) reaja bem menos" do que o crescimento, segundo ele.

No mercado de juros, as expectativas sobre um novo corte da taxa básica de juros, a Selic, seguem bastante divididas. De acordo com o mercado de opções de Copom, da B3, as probabilidades entre manutenção da Selic em 2,25% e um corte pequeno para 2% estão praticamente iguais.