Mercado abrirá em 9 h 21 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,45
    -0,01 (-0,02%)
     
  • OURO

    1.762,80
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    63.109,46
    +335,62 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.400,51
    +19,56 (+1,42%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.857,42
    +64,28 (+0,22%)
     
  • NIKKEI

    29.682,66
    +39,97 (+0,13%)
     
  • NASDAQ

    13.974,75
    -39,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7154
    -0,0057 (-0,08%)
     

Juros dão suporte, mas câmbio segue vulnerável a exterior e pandemia no Brasil, diz AZ Quest

·1 minuto de leitura
Notas de reais e dólares

SÃO PAULO (Reuters) - A taxa de câmbio pode ingressar num ciclo virtuoso com o início mais forte do processo de normalização monetária, mas ainda ficará sujeita a intempéries vindas de um dólar que pode não se enfraquecer no exterior e dos problemas relacionados à pandemia no Brasil, disse Bernardo Zerbini, um dos responsáveis pela estratégia macro da gestora AZ Quest.

Zerbini se diz com posição tática a favor do real, mas ainda pequena.

"É difícil afirmar que o dólar (no exterior) vai se enfraquecer. Os EUA vão crescer muito mais que outros países. Sobre a Covid, enquanto fora tudo parece estar meio parado, nos EUA a vacinação está acontecendo. Os EUA estão com cheiro de que serão o primeiro país a entrar numa vida normal", disse o gestor.

Ele lembrou que o comportamento do câmbio é relacionado a diferencial de crescimento, spread de juros e fiscal. "Os EUA conseguem se financiar bem, enquanto a parte de crescimento e juros é favorável ao dólar."

Na frente doméstica, enquanto a política monetária começa a dar apoio ao câmbio, o agravamento da pandemia e seus potenciais efeitos sobre a atividade limitam o "upside" do real.

Um grande ponto de interrogação, segundo Zerbini, são os rumos da inflação e da Selic, às quais ele atribui viés negativo.

"Não temos convicção no juro terminal porque não temos convicção sobre a inflação. A inflação pode ser de 5,5%, 6% neste ano... A assimetria nos juros ainda é ruim", afirmou, prevendo que uma Selic de 5%, 5,5% ao fim do ano em tese não traria problemas à atividade econômica, mas que taxas próximas de 7% --num cenário de maior receio inflacionário-- já pesariam.

(Por José de Castro)