Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.376,78
    +73,58 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Juro segue favorável ao real mesmo com ciclo no fim, diz ex-BC

(Bloomberg) -- O diferencial entre as taxas de juros no Brasil e no exterior continuará como importante aliado do câmbio, mesmo que os bancos centrais no Brasil e nos Estados Unidos estejam em estágios muitos diferentes de seus processos de aperto monetário, segundo o ex-diretor do BC e fundador da Mauá Capital, Luiz Fernando Figueiredo.

“O diferencial de juros que temos hoje é enorme, mesmo considerando que o Fed tenha de subir o juro para 3% ou 4% para segurar a inflação”, disse Figueiredo.

Ao elevar a Selic para 12,75% nesta quarta-feira, o Copom disse que provavelmente subirá novamente a taxa em junho, em ritmo menor. O BC deve promover um último aumento de 0,5 ponto percentual no próximo mês, a não ser que a inflação continue surpreendendo para cima, disse o ex-diretor do BC.

Enquanto o BC aqui se aproxima do fim do ciclo de aperto monetário, o Federal Reserve deve seguir elevando a taxa nos EUA, depois da alta de 0,5 ponto percentual anunciada na quarta-feira.

Segundo Figueiredo, incertezas sobre a eleição no Brasil em outubro ainda podem pesar no câmbio. Mas, desde que os candidatos a presidente sinalizem que terão responsabilidade fiscal, a probabilidade de o dólar voltar para R$ 4,50 será maior do que ficar em R$ 5,00.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos