Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,70 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,75 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,03
    +1,51 (+1,75%)
     
  • OURO

    1.725,00
    -5,50 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    20.036,63
    -305,56 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,45 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.628,00
    -12,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1358
    -0,0321 (-0,62%)
     

Júpiter vai fazer a maior aproximação de um ponto da Terra em 59 anos

A posição ocorre a cada 13 meses, fazendo com que o planeta pareça maior e mais brilhante (Getty Image)
A posição ocorre a cada 13 meses, fazendo com que o planeta pareça maior e mais brilhante (Getty Image)
  • Júpiter vai estar a apenas 590 milhões de km de distância;

  • O maior planeta do Sistema Solar vai fazer a maior aproximação à Terra em 59 anos;

  • Será possível ver detalhes do planeta apenas com um telescópio simples.

Na noite da próxima segunda-feira, dia 26 de Setembro, o maior planeta do nosso Sistema Solar vai fazer a maior aproximação à Terra em 59 anos. Na ocasião, será possível observar quatro das luas que o cercam (Io, Europa, Ganímedes e Calisto).

A NASA anunciou em comunicado que os “observadores de estrelas” podem esperar excelentes vistas de Júpiter durante toda a noite. Essa posição ocorre a cada 13 meses, fazendo com que o planeta pareça maior e mais brilhante do que em qualquer outra época do ano.

Quando o fenômeno ocorrer, Júpiter vai estar a “apenas” 590 milhões de km de distância da Terra. Essa é a mesma distância que estava em 1963. No ponto mais distante, o planeta fica a aproximadamente 965 milhões de km de distância.

“Com uns bons binóculos será possível ver as faixas (pelo menos a faixa central) e três ou quatro dos satélites (luas)”, diz o astrofísico da NASA Adam Kobelski. “É interessante lembrar que Galileu observou essas luas com uma ótica do século XVII", completa.

Utilizando um telescópio, mesmo que seja simples, será possível ver a famosa mancha vermelha de Júpiter, que é composta por uma tempestade do tamanho da Terra e ocorre há centenas de anos.

Vale lembrar que cerca de 90% dos átomos do planeta são compostos por hidrogénio, com os 10% restantes compostos de hélio e uma pequena fração de oligoelementos que contribuem para moléculas como água e amoníaco.