Mercado abrirá em 8 h 55 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,10
    +0,46 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.774,60
    +5,60 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    34.648,05
    -857,27 (-2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    858,71
    -81,24 (-8,64%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.391,22
    -410,05 (-1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.899,73
    -1.064,35 (-3,67%)
     
  • NASDAQ

    14.000,00
    -35,00 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0033
    -0,0328 (-0,54%)
     

Junho mais chuvoso pode ajudar algumas áreas de café e cana do Brasil, diz Somar

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Um início de junho mais chuvoso em partes da metade sul do centro-sul brasileiro e mais precipitações previstas para esta região devem trazer alívio para áreas produtoras de café e cana, além de estancar perdas da segunda safra de milho, que já sofreu quebra expressiva, avaliou nesta terça-feira um meteorologista da Somar.

"Para milho, as perdas não revertem, as chuvas para milho terão impacto pequeno. Para a cana-de-açúcar sim, pode ser que tenha melhora, pois já no início da semana passada choveu forte no Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo", disse o meteorologista Celso Oliveira.

Contudo, ele ponderou que outras áreas do centro-sul que estão sofrendo com a escassez hídrica severa devem seguir com problemas.

"Quando se caminha para a área mais crítica, noroeste de São Paulo, Triângulo Mineiro, Goiás, mais ao noroeste de Mato Grosso do Sul, ali a situação não vai se reverter", disse ele, comentando que as precipitações serão mais fracas.

Para Oliveira, a chuva de junho "é melhor que a de maio, mas não é abrangente para dizer que cobre todas as regiões".

"Resumindo, junho é melhor que maio, a gente está sentindo isso, está chovendo com mais frequência, mas um cuidado é que não está chovendo bem em todos os lugares, está ocorrendo mais do oeste de São Paulo para baixo", comentou.

Ele lembrou também que à medida que o inverno se aproxima essas áreas ao Sul costumam receber mais umidade, enquanto a maior parte do Sudeste e Centro-Oeste sofre com longos períodos secos.

Dessa forma, destacou, as chuvas de junho não serão capazes de reverter "o que perdemos no verão", estação tradicionalmente mais chuvosa, o que explica a preocupação na agricultura, mas também do setor elétrico, que lida com preços em alta no mercado livre e está acionando mais térmicas para compensar a menor geração de hidrelétricas.

"Já se sabe que a próxima chuva para reservatórios só vai acontecer a partir de meados da primavera", ressaltou ele, citando as hidrelétricas.

Para as áreas de café, as chuvas até poderiam prejudicar os trabalhos de colheita, mas são bem-vindas para a produção das lavouras em 2022, considerando o prolongado período de déficit hídrico, comentou o meteorologista.

Ele explicou, entretanto, que algumas áreas terão precipitações, como a Mogiana e o Sul de Minas, mas outras partes, como o Cerrado mineiro, onde há muitas lavouras irrigadas, pode não ter chuvas suficientes para reabastecer os reservatórios até a próxima primavera.

As lavouras de laranja ao norte de São Paulo estão sofrendo também com estiagem, enquanto áreas mais ao sul do Estado, como Avaré, têm uma melhor condição, disse o especialista da Somar.

"No noroeste do Estado a situação é crítica, e não vai mudar no curto prazo."

Oliveira comentou também que áreas produtoras de trigo, ao Sul do Brasil, deverão se beneficiar das chuvas de junho.

Ainda que o mês deva ser melhor do que maio, pode ficar abaixo da média histórica para junho, acrescentou Oliveira.

"Pior do que está não poderia ficar, mesmo não sendo a pleno vapor, a chuva de junho é considerada boa notícia."

De acordo com dados da Refinitiv, as chuvas entre 8 e 23 de junho devem ficar entre 90 e 100 milímetros nas regiões com maiores precipitações entre o Paraná e o Rio Grande do Sul.

Algumas áreas do centro-sul de São Paulo poderão ter até 40 milímetros, enquanto o oeste paulista poderá marcar cerca de 60 mm no acumulado do período, indica a Refinitiv, que vê também chuvas de até 80 mm no sul de Mato Grosso do Sul.

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos