Mercado abrirá em 7 h 27 min

Juliano Cazarré diz que existe plano para emascular homens: "Projeto de dominação"

Juliano Cazarré. Foto: reprodução/Instagram/cazarre

Polêmica pouca é bobagem para Juliano Cazarré. Depois de dividir opiniões ao falar de masculinidade, o ator voltou às redes sociais para “refletir sobre essa semana doida” e lançou uma teoria conspiratória de que há um plano para emascular os homens.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Na ocasião, o intérprete publicou o vídeo de um gorila e afirmou que “a masculinidade faz do mundo um lugar mais seguro”. No texto escrito neste domingo (10), ele classificou as críticas que recebeu como “ataque histérico” e como uma tentativa de assassinar sua reputação. Afirmou ainda ter recebido mensagens de apoio, inclusive de promotores de Justiça e de psicólogos confirmando sua visão.

Leia também:

“Quanto mais os pós-modernos empurram suas narrativas sobre masculinidade tóxica, mais tímidos e fracos os homens se tornam. Timidez e fraqueza nunca fizeram bons homens. E mais as mulheres reclamam dos homens. E mais fracos nos tornamos, num círculo vicioso. É por isso que hoje é tão comum escutarmos: ‘Não tem mais homens’, ‘Não encontro um homem que presta’ etc. Isso não é bom para os homens. Não é bom para as mulheres. Não é bom para a sociedade”, argumentou.

Em seguida, ele continuou com sua teoria. “Mas não se engane, isso é um plano que está sendo executado com sucesso. Assim que estivermos todos emasculados, vai ficar bem mais fácil implantar um projeto de dominação e poder. Nossos filhos serão criados pelo Estado e seremos todos escravos”.

O ator, que está no elenco da próxima novela das 21h, “Amor de Mãe”, revoltou-se ainda com a repercussão do caso na mídia. “Se alguém tentar ler na internet sobre a polêmica praticamente só encontrará manchetes dizendo: ‘Cazarré é criticado’, ‘Cazarré é detonado’. Mentira! Esse é só o jornalista empurrando sua opinião na manchete. Os apoiadores foram esmagadoramente mais que os críticos”, garantiu.

Cazarré ainda terminou o texto com uma provocação que remete à publicação original: “Gorile-se”.