Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,19
    -0,47 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.797,80
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    58.568,59
    -1.691,64 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,41
    -75,92 (-5,15%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    15.626,00
    +38,75 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4225
    -0,0022 (-0,03%)
     

Julgamento do STJD condena Brusque a perda de pontos em caso de racismo contra Celsinho, do Londrina

·1 minuto de leitura


O caso envolvendo a ofensa racista proferida por um conselheiro do Brusque contra o meio-campista Celsinho, do Londrina, em partida entre as equipes pela Série B do Brasileirão foi julgado nesta sexta-feira (24) pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

A sentença proferida no julgamento em questão condenou o clube catarinense a pagar uma multa de R$ 60 mil além da pena esportiva com a perda de três pontos na tabela. A pena ainda cabe recurso mas, até segunda ordem, o Brusque fica com 26 pontos e em 16° lugar, uma unidade acima da zona de rebaixamento.

O enquadramento jurídico para a aplicação da pena se deu no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) que fala em “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito".

Quem também foi punido pelo fato ocorrido no último dia 28 de agosto foi o conselheiro acusado de chamar o cabelo do jogador do Londrina de "cachopa de abelha", Júlio Antônio Petermann, a pagar uma multa de R$ 30 mil além de suspensão das atividades por 360 dias.

Em sua defesa, Júlio chegou a argumentar que usou uma expressão que seria comum na região e em resposta a provocações que jogadores do clube paranaense estavam fazendo no aquecimento ao lado do alambrado do Augusto Bauer.

Entretanto, nenhum dos auditores do STJD demonstrou ter acolhido a justificativa usada no depoimento e, em via de regra, condenaram o ato reiterando a necessidade de sempre punir com rigor ofensas de cunho racista e/ou preconceituosas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos