Mercado fechará em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    106.486,10
    -1.965,10 (-1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.961,78
    -480,43 (-1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,10
    -1,05 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.654,60
    -15,40 (-0,92%)
     
  • BTC-USD

    18.978,75
    -156,74 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    433,75
    -12,24 (-2,74%)
     
  • S&P500

    3.630,02
    -89,02 (-2,39%)
     
  • DOW JONES

    29.130,36
    -553,38 (-1,86%)
     
  • FTSE

    6.839,89
    -165,50 (-2,36%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.187,00
    -368,75 (-3,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2704
    +0,0378 (+0,72%)
     

Juíza nega parcialmente pedido de Elon Musk contra Twitter

Elon Musk acusou a companhia de ocultar possíveis testemunhas essenciais (Getty Image)
Elon Musk acusou a companhia de ocultar possíveis testemunhas essenciais (Getty Image)
  • Musk cancelou o acordo de compra do Twitter

  • Os advogados acusaram a companhia de ocultar testemunhas

  • A juíza negou o pedido da defesa do bilionário

O embate entre Elon Musk e Twitter ganha mais um capítulo. Um pedido da defesa do bilionário foi parcialmente negado pela juíza da Corte de Delaware, nos EUA. O CEO da Tesla cancelou o acordo de compra da rede social alegando que a companhia não teria dado informações completas sobre a atuação de bots entre os usuários a plataforma.

Na semana passada, os advogados do homem mais rico do mundo pediram que a juíza Kathaleen St. J. McCormick, responsável pelo caso, obrigasse o a rede social a indicar os nomes dos empregados responsáveis pela avaliação de quanto da base de usuários do Twitter é formada por robôs.

Musk acusou a companhia de ocultar possíveis testemunhas essenciais para a linha de defesa no processo, no qual a corporação pede que a Justiça obrigue o empresário a cumprir o acordo de compra.

A magistrada afirmou que o Twitter não precisava “coletar, revisar ou produzir documentos” de nenhum dos 22 funcionários que o dono da Tesla requisitou, com exceção de Kayvon Beykpour, ex-diretor de Produto ao Consumidor da rede social. Ele foi o mais alto executivo na área de produto da rede social por anos antes de ser demitido pelo novo CEO da empresa.

A decisão foi uma resposta ao pedido dos advogados de Elon Musk para forçar o Twitter a identificar os colaboradores para que a defesa do bilionário pudesse ter acesso aos registros, podendo questionar os colaboradores durante a ação judicial.