Mercado abrirá em 5 h 54 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,36
    +0,75 (+0,87%)
     
  • OURO

    1.796,90
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    37.310,98
    +1.318,00 (+3,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    846,45
    +26,94 (+3,29%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.582,69
    -224,31 (-0,94%)
     
  • NIKKEI

    26.705,58
    +535,28 (+2,05%)
     
  • NASDAQ

    14.149,75
    +163,00 (+1,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0562
    +0,0322 (+0,53%)
     

Juiz rejeita tentativa do Facebook de bloquear processo antitruste nos EUA

·2 min de leitura
A tentativa do Facebook de bloquear um processo antitruste nos EUA foi negada por um juiz (AFP/Chris DELMAS) (Chris DELMAS)

Um juiz federal decidiu nesta terça-feira (11) que o caso antimonopólio reformulado pelos reguladores americanos contra o Facebook pode continuar, admitindo que a denúncia é mais robusta e detalhada do que a versão negada no ano passado.

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC) alegou que a gigante das redes sociais, agora rebatizada Meta, construiu um monopólio ilegal ao adquirir potenciais concorrentes como Instagram e WhatsApp.

A FTC "poderá ter uma tarefa árdua no futuro para provar suas alegações", mas o caso não será arquivado, decidiu o juiz James E. Boasberg, que no ano passado rejeitou o processo original.

A decisão desta terça-feira rejeitou a intenção do Facebook de também descartar o texto reformulado. A empresa não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da AFP.

"A Comissão continua a alegar que o Facebook há muito tempo tem o monopólio do mercado e que mantém ilegalmente esse monopólio", escreveu Boasberg.

"No entanto, os fatos declarados desta vez para fortalecer essas teorias são muito mais robustos e detalhados do que antes", admitiu.

O juiz também rejeitou o argumento do Facebook de que o caso deveria ser arquivado porque a decisão da comissão de corrigir e reenviar o processo foi alimentada por um preconceito contra a empresa por parte da presidente da FTC, Lina Khan.

No processo reformulado, a FTC alega que a prevalência do Facebook "é protegida por altas barreiras de entrada" e que "mesmo uma entrada com um produto superior não pode ser bem-sucedida" devido à forma como seu ecossistema é concebido.

O processo, que pode levar anos para ir a tribunal antes de chegar a um acordo, exige que o "desinvestimento de ativos", incluindo WhatsApp e Instagram, seja ordenado para restaurar a concorrência.

Boasberg havia dito em sua decisão anterior, no ano passado, que o processo inicial da agência carecia de provas, especialmente para definir o mercado que o Facebook supostamente estava monopolizando.

A decisão do juiz Boasberg é um novo golpe contra o Facebook, que encarou um forte escrutínio no ano passado por uma denunciante que vazou documentos que indicavam que os executivos da empresa estavam cientes dos danos que seus serviços poderiam causar a seus usuários, especialmente aos mais jovens.

gc/jm/ag/lm/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos