Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    -0,14 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    41.440,45
    +111,88 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,27 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,81 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    +10,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Juiz peruano rejeita prisão preventiva de Keiko Fujimori por lavagem de dinheiro

·1 minuto de leitura
Keiko Fujimori em Lima

LIMA (Reuters) - Um juiz peruano recusou nesta segunda-feira um pedido para que a candidata à Presidência do Peru Keiko Fujimori retornasse à prisão preventiva por um caso de lavagem de dinheiro e corrupção, ao mesmo tempo em que a candidata exige a revisão dos votos nas eleições recentes do país.

Keiko, filha mais velha do ex-presidente Alberto Fujimori, não admitiu sua derrota para o socialista Pedro Castillo, que se proclamou vencedor após a autoridade eleitoral do país anunciar sua liderança por uma diferença de 44.058 votos.

Para anunciar oficialmente o vencedor, o Tribunal Nacional de Eleições deve resolver a impugnação ou anulação de milhares de votos de regiões remotas, a maioria solicitada por Keiko Fujimori, que alega "fraude em mesa". O processo de revisão pode demorar dias e até semanas, segundo especialistas.

Observadores internacionais do processo em Lima já manifestaram que as eleições ocorreram de maneira transparente.

O procurador do caso envolvendo Keiko, José Domingo Pérez, havia pedido 11 meses e 22 dias de prisão preventiva para a candidata, alegando que ela descumpriu restrições como por exemplo manter comunicação com testemunhas do caso, no qual ela é acusada de receber 1,2 milhão de dólares da construtora brasileira Odebrecht para suas campanhas políticas em 2011 e 2016.

A candidata compareceu à audiência de segunda-feira junto de sua advogada Giulliana Loza, que afirmou que sua cliente não descumpriu restrições nem agiu para obstruir o processo judicial, que ainda não tem data marcada para o início das audiências.

(Reportagem de Marco Aquino)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos