Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,04
    +0,21 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.689,20
    -11,50 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    47.160,55
    -3.739,41 (-7,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    968,73
    -18,48 (-1,87%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.752,50
    -177,61 (-0,61%)
     
  • NASDAQ

    12.380,75
    -74,25 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Juiz nos EUA rejeita ação contra Eletrobras por empréstimo compulsório

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Um juiz distrital em Nova York, nos Estados Unidos, decidiu negar um pedido de investidores estrangeiros para que a estatal Eletrobras fosse obrigada a quitar o que dizem ser obrigações referentes ao chamado "empréstimo compulsório".

Criado pelo governo brasileiro nos anos 60, o empréstimo compulsório foi uma cobrança junto a consumidores industriais para financiar a expansão do sistema elétrico. Nos anos 80, o prazo para devolução dos recursos foi prorrogado e o governo definiu que a Eletrobras poderia antecipar a quitação convertendo créditos do empréstimo em ações.

A operação acabou rendendo uma série de dores de cabeça para a Eletrobras, que décadas depois ainda lida com ações judiciais e cobranças referentes ao tema, que gera frequentes obrigações de provisão de recursos.

Os responsáveis pela ação nos EUA, a Eagle Equity Funds e a AAE Management for Energy Equipment, tentaram alegar que a Eletrobras estaria descumprindo a lei norte-americana ao não reconhecer passivos com títulos de empréstimo compulsório.

O argumento, no entanto, foi rejeitado pelo juiz Jesse Furman, que rejeitou o pleito dos investidores.

"No fundo, está claro que o objetivo principal (senão único) dos requerentes é obter deste tribunal o que não conseguiram na Justiça brasileira: uma decisão de que os títulos de compulsório são válidos e executáveis", escreveu ele.

O juiz, no entanto, não entrou nos méritos do pedido-- por entender que não houve descumprimento da legislação local-- e decidiu pelo encerramento do caso.

(Por Luciano Costa)