Mercado fechará em 6 h 31 min
  • BOVESPA

    117.519,88
    -40,95 (-0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,50
    +1,05 (+1,19%)
     
  • OURO

    1.712,30
    -8,50 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    19.646,26
    -448,71 (-2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,34
    -15,78 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.985,74
    -11,53 (-0,16%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.370,25
    -171,50 (-1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0926
    -0,0209 (-0,41%)
     

Juiz americano dificulta reembolso de medicamentos contra a aids

Um juiz americano validou nesta quarta-feira (7) os argumentos de empregadores cristãos, que rejeitam dar a seus funcionários um seguro de saúde que reembolse medicamentos para evitar a aids.

O juiz Reed O'Connor, do tribunal federal do Texas, é conhecido por ter tomado decisões hostis à grande lei sobre o seguro médico do ex-presidente Barack Obama.

Nesta quarta, ele atacou um novo aspecto dessa lei, apelidada de "Obamacare".

A norma impõe às seguradoras privadas o reembolso de alguns cuidados preventivos e deixa às autoridades sanitárias definir quais. Estas incluíram em 2020 os comprimidos profiláticos de pré-exposição (PrEP, em inglês), que impedem a transmissão do HIV e são recomendados particularmente aos homens gays.

Várias pessoas e duas empresas contestaram na justiça a inclusão destes medicamentos na lista de cuidados reembolsados, considerando que isto "os torna cúmplices de comportamentos homossexuais", disse O'Connor, para quem existe uma contradição com a lei federal sobre liberdades religiosas.

A Casa Branca reagiu informando que a decisão seria "revista".

O governo do presidente Joe Biden "está dedicado a proteger o acesso dos americanos à atenção preventiva gratuita", tuitou a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, e ressaltou a importância do "Obamacare" para possibilitar esta proteção.

"Esta decisão perturbadora é abertamente homofóbica", lamentou a presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, em nota.

O PrEP é recomendado sistematicamente para homossexuais, heterossexuais com comportamentos e risco e pessoas que usam seringas para usar drogas.

Embora seja 99% eficaz, apenas 23% das pessoas que poderia tomá-lo o fizeram em 2019.

chp/rle/dl/ag/mvv