Mercado abrirá em 2 h 47 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,79
    +0,02 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.852,80
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    31.951,52
    -416,77 (-1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    645,83
    -31,07 (-4,59%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.677,10
    +38,25 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.450,50
    -25,00 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Judas e o Messias Negro ganha segundo trailer e revela data de estreia

Laísa Trojaike
·3 minuto de leitura

Chegou ao YouTube o segundo trailer de Judas e o Messias Negro, o novo filme de Shaka King que chama a atenção pela presença dos atores Daniel Kaluuya, de Corra! e Pantera Negra, e LaKeith Stanfield, de Atlanta e Desculpe te Incomodar.

King assina o roteiro ao lado de Will Berson e Keith Lucas e, na trama, Kaluuya e Stanfield interpretam os personagens reais Fred Hampton e William O'Neal, cujas histórias revelam bastidores de polêmicas demandas políticas dos EUA, sobretudo nos anos 1960.

Judas e o Messias Negro é, ainda, um filme com classificação etária de 18 anos devido não apenas à linguagem, mas também à violência, o que indica uma obra bastante gráfica. O novo trailer revela a data de lançamento do filme, que chegará aos cinemas em 12 de fevereiro, quando estreia também na plataforma de streaming HBO Max como parte da decisão da Warner Bros. de fazer lançamentos híbridos.

Imagem: Reprodução/Warner BRos.
Imagem: Reprodução/Warner BRos.

Quando divulgado o primeiro trailer de Judas e o Messias Negro, a Warner Bros. Pictures Brasil divulgou uma sinopse completa, com diversos detalhes sobre a trama. Confira abaixo:

O presidente Fred Hampton tinha 21 anos quando foi assassinado pelo FBI, que coagiu um pequeno criminoso chamado William O'Neal para ajudá-los a silenciar Hampton e o Partido dos Panteras Negras. Mas eles não conseguiram matar o legado de Fred Hampton e, 50 anos depois, suas palavras ainda ecoam... mais alto do que nunca.

Eu sou um revolucionário!

Em 1968, um jovem ativista carismático chamado Fred Hampton tornou-se presidente da filial de Illinois dos Panteras Negras, que lutavam pela liberdade, o poder de determinar o destino da comunidade negra e o fim da brutalidade policial e do massacre de pessoas negras.

O presidente Fred estava inspirando uma geração a se levantar e não ceder à opressão, o que o colocou diretamente na linha de fogo do governo, do FBI e da polícia de Chicago. Mas para destruir a revolução, eles tiveram que fazer isso por fora...e por dentro. Diante da prisão, William O'Neal recebe uma proposta de acordo do FBI: se ele se infiltrar nos Panteras Negras e fornecer informações sobre Hampton, ele ficará livre. O'Neal aceita o acordo.

Agora, um companheiro de luta para os Panteras Negras, O'Neal vive com medo de que sua traição seja descoberta, mesmo quando ele ascende nos Panteras Negras. Mas, à medida que a mensagem ardente de Hampton o atrai, O'Neal não pode escapar da trajetória mortal de sua traição final.

Embora sua vida tenha sido interrompida, o impacto de Fred Hampton continuou a reverberar. O governo viu os Panteras Negras como uma ameaça militante ao status quo e vendeu essa mentira a um público assustado em um momento de crescente agitação civil. Mas a percepção dos Panteras não correspondia à realidade. Nas cidades do interior dos Estados Unidos, eles ofereciam café da manhã gratuito para crianças, serviços jurídicos, clínicas médicas e pesquisas sobre anemia falciforme e educação política. E foi o presidente Fred de Chicago que, reconhecendo o poder da unidade multicultural por uma causa comum, criou a Coalizão Arco-Íris – unindo forças com outros povos oprimidos da cidade para lutar por igualdade e empoderamento político.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: